Sophia é a liberdade e marcará sempre

Presidente da República visitou a Feira do Livro do Porto que diz ter dado um salto monumental nesta edição e comprou dezenas de livros

Sophia de Mello Breyner "é a liberdade, a capacidade de criar que marcou tantas gerações no passado e vai marcar sempre". Marcelo Rebelo de Sousa resumiu assim a homenagem que a Câmara do Porto presta à escritora na Feira do Livro de 2017, que o presidente da República ontem visitou. Não desapontou os admiradores, com dezenas de selfies, nem perdeu o gosto pela compra de livros. "Comprei 30 ou 40", confessou após percorrer os 130 stands montados nos jardins do Palácio do Cristal.

O Presidente comprou várias primeiras páginas de jornais do 26 de Abril de 1974

"É uma homenagem justíssima e foi uma magnifica iniciativa do presidente da câmara do Porto. Não só pelas origens da Sophia mas também porque ela vibrou, viveu na sua pessoa e sua obra, o Porto mas de uma forma aberta aos elementos", disse o presidente, que também visitou a exposição Quatro Elementos, onde se podem escutar poemas de Sophia, com os curadores presentes: Ana Luísa Amaral (Água), Eduarda Neves (Terra), Pedro Faro (Fogo) e Nuno Faria (Ar). Na Galeria Municipal, está também patente O Anjo de Timor e outras histórias - Ilustrações para Sophia, com obras de Graça Morais e Júlio Resende.

O presidente iniciou a visita à Feira do Livro acompanhado por um grupo de crianças. As escolhas e aquisições de livros começaram logo nas primeiras editoras. E logo depois ouviu um homem dirigir-se com um elogio. "Não votei em si mas para a próxima voto, tenha a certeza", disse. Marcelo sorriu e defendeu-se: "Cinco anos é muito tempo." Mais tarde, aos jornalistas, voltou a dizer que o tempo de decidir uma recandidatura ainda vem longe e só daqui a três anos é que fará sentido falar disso.

A tarde era para os livros, entre dezenas de selfies, acabou a adquirir três reproduções de primeiras páginas de jornais do dia seguinte ao 25 de Abril. Foi no livreiro Miguel de Carvalho e os títulos e imagens do dia histórico saíram nos diários A República, Diário de Lisboa e A Capital, hoje extintos.

Depois encontrou o alpinista João Garcia, o português "que chegou onde mais ninguém chega", que promovia o livro A mais alta solução. Recebeu um exemplar com dedicatória. No percurso pelo espaço ainda encontrou o alfarrabista Martinho, de Lisboa. Um abraço e uma selfie assinalaram o encontro, e claro houve a compra de mais um livro. Ainda tem tempo para ler tantos livros?, ouviu depois. "Tenho tempo nas viagens. Este mês e o próximo terei três ou quatro viagens e aí há muito tempo para ler. À noite também."

Antes de sair, Marcelo ainda chamou a atenção que Miguel Sousa Tavares filho de Sophia, participará hoje numa reflexão sobre a obra da escritora, numa feira que, diz Marcelo, "deu um salto monumental este ano".

Ler mais

Exclusivos