Salva de D. Fernando II comprada para o Palácio da Pena

Pertenceu a D. Fernando II e herdada pela sua filha, D. Antónia, que vivia na Alemanha. Foi agora adquirida pela Parques de Sintra e integrará as coleções do Palácio da Pena.

A salva de aparato, em prata dourada, foi adquirida pela Parques de Sintra, para o Palácio da Pena, um dos monumentos que gere, no ano do bicentenário do nascimento de D. Fernando II.

Após a morte do pai, D. Fernando II, a peça foi herdada por D. Antónia, infanta de Portugal e princesa de Hohenzollern-Sigmaringen, na Alemanha.

A peça agora adquirida, em prata dourada, é de fabrico lisboeta, datada de 1548. "A salva, que representa a aquisição artística mais representativa feita até ao momento pela empresa, destaca-se pela elevada qualidade técnica do seu trabalho (repuxado e cinzelado) e pela erudição das cenas representadas", diz, em comunicado, a Parques de Sintra.

Os valores de aquisição não foram divulgados pela Parques de Sintra. Fonte da empresa revelou que foi adquirida ao antiquário Pedro Aguiar-Branco, em Paris, que a adquiriu num leilão em Londres, em 2012.

A peça será mostrada ao público "em breve", de acordo com o mesmo comunicado.

Uma coleção descrita e desfeita

A salva pertence à coleção de ourivesaria reunida por D. Fernando II no seu gabinete de trabalho do Palácio das Necessidades, "um dos maiores conjuntos conhecidos", segundo a Parques de Sintra. "O rei chegou mesmo a elaborar um inventário manuscrito das peças que possuía, com apreciações estéticas e informações quanto à proveniência de alguns objetos. Doado ao Palácio Nacional da Pena por descendentes da condessa d"Edla, segunda mulher do monarca, aquele documento encontra-se a ser estudado com vista à sua publicação."

Esta coleção foi desmembrada após a morte do monarca, na sequência das partilhas efetuadas pelos seus herdeiros. "Um lote significativo ficou na posse da família real portuguesa e, anos após a implantação da república, passou a integrar as coleções do Palácio Nacional da Ajuda, com algumas peças a obterem a classificação de Tesouro Nacional, avança a Parques de Sintra.

"Um estudo recentemente efetuado revelou a provável natureza nupcial da encomenda desta salva, onde sobressaem quatro medalhões (tondi), à maneira da melhor escultura do Renascimento italiano", acrescenta a Parques de Sintra. Existem poucos exemplares desta ourivesaria quinhentista. No início do século XVIII foi acrescentado um pé alto à salva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.