Quem nunca viu uma baleia em casa dos avós?

Leonor Keil leva ao Maria Matos um novo espetáculo para crianças, em colaboração com Rui Catalão ou Bruno Pernadas

"Sabes que a Sophia de Mello Breyner disse que a casa dos avós era tão grande, tão grande, que no hall de entrada caberia o esqueleto de uma baleia?" Foi um amigo quem contou a história a Leonor Keil que, quando entrou naquela casa em pleno Campo Alegre, que hoje pertence à Faculdade de Ciências do Porto, encontrou realmente um esqueleto de baleia, ali posto para uma exposição. A bailarina e coreógrafa acabara de ler Uma Vida Imaginária, de David Malouf, e esta era a imagem de que precisava para pôr em marcha o espetáculo que viria a chamar-se precisamente Um esqueleto de baleia na casa dos avós, que hoje se estreia no Teatro Maria Matos, em Lisboa.

"Todos nós temos essas memórias de casa dos nossos avós, onde tudo é permitido, onde nos dão mais espaço para podermos sonhar, imaginar, para concretizarmos essas imagens oníricas que nós temos", diz a bailarina, depois do ensaio. A imaginação na infância é colossal, como o homem perante a baleia: uma vida maior do que a vida. E é esse lugar, povoado nos primeiros anos por amigos imaginários, que Keil dança, num espetáculo criado num coletivo formado por Rui Catalão, no apoio à dramaturgia, Bruno Pernadas, que assina a música, Carlota Lagido, que concebeu os figurinos mutantes que vão ditando o movimento de Leonor, sozinha em palco, e Cristóvão Cunha, que a ilumina.

A bailarina parece ser simultaneamente a baleia e a criatura que a descobre, experimentando o mundo entre uma e a outra. "O Rui Catalão diz que existe quase uma memória como se a baleia tivesse sido humana, no princípio. Ela suicida-se, quando está triste, mesmo as suas características de personalidade são curiosas: é calma, conversa, canta, tem todo um processo de namoro."

O ritmo do espetáculo é aquele que o mundo leva para se mostrar aos olhos de uma criança. "Eu tenho dois filhos e desde pequeninos que lhes digo: Agora vamos brincar ao National Geographic. É ficarmos quietinhos e olharmos, vermos, percebermos os bichos e as coisas, e não interferirmos; não precisamos de atuar, e se o fizermos que seja com muito respeito. Acho que hoje em dia não se tem tanto tempo para esse National Geographic, para olhar só, para pensar estando mais à escuta, que também é uma forma de participar", diz Leonor, a cuja vida este espetáculo, que se segue a Bianca Branca, parece estar profundamente ligado, das baleias dos Açores onde nasceu, à imaginação que cabe no sótão dos avós ou nessa África em que passou alguns anos da infância. Um local "onde o espaço é grande e ao ar livre, e onde eu não precisava de imaginar assim tanto, subia às árvores e via seres em cima das árvores, tinha diálogos com eles". Um esqueleto de baleia na casa dos avós é uma espécie de subida às árvores.

Um esqueleto de baleia na casa dos avós

Teatro Maria Matos, em Lisboa

Até 13 de maio. Sexta-feira às 18.30, sábado às 16.30 e domingo às 11.00 e 16.30

Bilhetes: 3€ crianças/7€ adultos

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.