Primeiro romance e a corrigir História dos Descobrimentos

A Confissão do Navegador é a primeira experiência literária de Duarte Nuno Braga. A história da descoberta do Brasil por Duarte Pacheco Pereira.

É a primeira vez que Duarte Nuno Braga está numa Feira do Livro, mas também é a primeira vez que publica um romance. E logo com um tema que não é nada consensual, o da viagem marítima de Duarte Pacheco Pereira até ao Brasil, alegadamente realizada dois anos antes da de Pedro Álvares Cabral. Trata-se de um autor que vem da área das tecnologias, é licenciado em Engenharia Eletrotécnica, e que já está a escrever o segundo livro.

A Confissão do Navegador não relata apenas as peripécias de Pacheco Pereira até ao Brasil, mas toda a sua viagem até ao Oriente, designadamente o confronto militar em Calecute. Quando se pergunta ao autor se não foi uma aventura iniciar a carreira com um romance histórico que a História nega, Nuno Braga responde: "Os historiadores têm dificuldade em concretizar o que é oficial e não. Esta não é a versão que normalmente é dada nas escolas, mas cada vez vai sendo mais aceite e consensual de que "alguém" chegou ao Brasil antes de 1500."

A partir do momento em que o tema Duarte Pacheco Pereira surgiu ao autor, este achou que era incontornável para um primeiro livro: "Queria escrever algo relacionado com os Descobrimentos porque estou ligado à náutica na minha vida pessoal. Quando vi que a História não tinha dado ao meu protagonista o real valor, ainda fiquei mais seduzido." Além de que, explica, "as pessoas ficam curiosas quando refiro o navegador e querem saber se posso mesmo sustentar esta tese. O que não é difícil, visto que existem muitas provas documentais que tornam esta questão cada vez menos polémica."

Entre os documentos, o destaque vai para o manuscrito Esmeraldo de situ orbis: "Uma prova cabal porque é o registo que Pacheco Pereira deixou, no qual dá indicação ao rei D. Manuel I de que fora descoberto o Brasil e com todas as informações geográficas do território, e que data de 1498."

Se esse documento, que esteve escondido quase 400 anos, já é ele próprio quase um romance, o autor usou-o como "anzol" para o seu livro: "Toda a sua vida é uma aventura. Após o Brasil, segue-se a viagem a Cochim e a conquista que faz com 150 homens contra um exército de 50 mil do samorim de Calecute. Que mostra a sua bravura e inteligência em termos de estratégia militar."

Para que o romance não fosse pouco mais do que a narrativa da viagem de Pacheco Pereira, Duarte Nuno Braga inclui a vida pessoal do navegador: "O livro não pretende ser um ensaio mas um romance histórico, onde se relata a relação com o rei, a mulher e D. Antónia de Albuquerque, com quem teve oito filhos." Para dar mais picante, o autor introduz uma lenda, "a paixão vivida em Cochim com uma jovem local".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."