"Os Loucos da Rua Mazur". Prémio Leya vai para João Pinto Coelho

Vencedor ganha prémio de 100 mil euros

"Os Loucos da Rua Mazur", de João Pinto Coelho, é o romance vencedor do Prémio LeYa 2017, no valor de 100.000 euros. O anúncio foi feito hoje, na sede do grupo editorial em Alfragide, nos arredores de Lisboa. O eleito, autor de 'Perguntem a Sarah Gross', já fora finalista deste prémio em 2014.

O júri, presidido por Manuel Alegre, elogiou o "romance bem estruturado" que "não cede ao facilitismo do romance histórico". A ação de "Os Loucos da Rua Mazur" passa-se antes da segunda guerra mundial, na Polónia. O júri destaca ainda "as qualidades de efabulação e verosimilhança em episódios de violência brutal com motivações ideológico-políticas e étnico-religiosas".

À edição deste ano apresentaram-se 400 originais, provenientes de 18 países (192 de Portugal e 187 do estrangeiro), dos quais foram selecionados cinco finalistas.

O júri do Prémio LeYa deste ano foi presidido pelo escritor Manuel Alegre e constituído ainda pelos escritores Nuno Júdice, Pepetela, para além do crítico José Castello, do professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra José Carlos Seabra Pereira, do reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário de Maputo Lourenço do Rosário, e da professora da Universidade de São Paulo Rita Chaves.

O ano passado, o júri deliberou por unanimidade não atribuir o prémio, dada a falta de qualidade das obras apresentadas.

Em 2015, o vencedor foi "O Coro dos Defuntos", de António Tavares.

O romance "O Rasto do Jaguar", de Murilo Carvalho, foi o primeiro vencedor do galardão, em 2008, ao qual se seguiu "O Olho de Hertzog", de João Paulo Borges Coelho. Em 2010, o júri decidiu pela primeira vez não atribuir o galardão, devido à falta de qualidade das obras a concurso, e em 2011 distinguiu o romance "O Teu Rosto Será o Último", de João Ricardo Pedro. "Debaixo de Algum Céu", de Nuno Camarneiro venceu em 2012, "Uma Outra Voz", de Gabriela Ruivo Trindade, em 2013, e "O Meu Irmão", de Afonso Reis Cabral, em 2014.

O Prémio LeYa, segundo o regulamento, "tem por objetivo incentivar a produção de obras originais de escritores de Língua Portuguesa, e destina-se a galardoar uma obra inédita de ficção literária, na área do romance, que não tenha sido premiada em nenhum outro concurso".

Ao prémio, o maior para uma obra inédita escrita em Língua Portuguesa, podem candidatar-se "todas as pessoas singulares com plena capacidade jurídica, independentemente da sua nacionalidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.