Dupla distinção para Luísa e Salvador Sobral

Os vencedores da Eurovisão receberam o prémio da Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal e a Ordem de Mérito

Não tem a grandiosidade do jantar da Associação da Imprensa Estrangeira nos EUA, mas o presidente esteve presente na cerimónia e ainda condecorou os premiados. Salvador e Luísa Sobral receberam esta segunda-feira, na Fundação Calouste Gulbenkian, o prémio Martha de La Cal para personalidade do ano de 2017 e receberam das mãos de Marcelo Rebelo de Sousa a medalha da Ordem do Mérito em nome de Portugal. "Foi o triunfo total de uma canção", referiu o Presidente da República.

"Levaram o nome de Portugal pelo mundo inteiro da melhor maneira, foi o tema que mais trabalhámos", afirmou a jornalista espanhola Begoña Iñiguez, presidente da Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal (AIEP), lembrando aquele 13 de maio e o que se seguiu, "depois de muitos dias de trabalho com a visita do Papa" e justificando assim a atribuição do galardão instituído em 1990 e agora com o nome da norte-americana Martha de La Cal (1927-2011), correspondente da revista Time em Portugal a partir de 1972, que esteve na fundação da associação e aqui viveu por mais de quatro décadas.

"Receber este prémio dos jornalistas que levam o nome de Portugal lá fora é um orgulho enorme", disse Luísa Sobral, agradecendo o prémio. "São momentos que vamos guardar para sempre", referiu a cantora, arrancando de seguida os risos da plateia do auditório da Fundação Calouste Gulbenkian. "Isto só pode ir para baixo", brincou. O alívio cómico de um discurso em que a compositora, de 30 anos, se congratulou por a interpretação de Salvador Sobral de Amar pelos Dois ter conseguido unir o país.

O cantor juntou ao agradecimento público pelo prémio um pedido, com o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, e a vereadora para a Cultura da Câmara Municipal de Lisboa, Catarina Vaz Pinto, na primeira fila do auditório da Gulbenkian: "Que seja um incentivo para aumentar o Orçamento do Estado para a cultura, que é vergonhoso, e para baixar o IVA dos bilhetes para 6%." A sala aplaudiu.

O Presidente da República lembrou também o papel de atletas e artistas que "na prática, são embaixadores de Portugal". "São embaixadores mais qualificados do que a generalidade dos embaixadores", afirmou. "O senhor ministro da Cultura que me perdoe", disse a Luís Castro Mendes, diplomata de carreira.

"Onde quer que tenha ido depois de maio de 2017, um tema que apareceu sempre foi o louvor rendido a Luísa e a Salvador Sobral", disse Marcelo Rebelo de Sousa, abrindo o discurso, garantindo que o mesmo sucedeu com os visitantes estrangeiros que recebeu em Portugal, contrariando quem pensava que "a Eurovisão tinha caído em desuso" e que "já não se vê televisão da mesma maneira".

E concluiu: "A própria atuação de Salvador Sobral, a sua atitude em palco e fora dele, a sua incomodidade com o sucesso, o seu modo direto de dizer as coisas, o modo como enfrentava uma situação pessoal", contribuíram para que a vitória em Kiev fosse "ainda mais portuguesa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.