Os artistas digitais que conquistaram os Maroon 5

Trabalharam em publicidade até que o hobby da ilustração e animação digital se tornou profissão. São uma dupla de artistas - FalcãoLucas - e um casal: Tânia e Luís.

Da Ericeira para o mundo. Tânia Falcão, de 39 anos, e Luís Avelar Lucas, 40, podem trabalhar a partir de qualquer lugar, desde que tenham uma boa ligação à internet. Escolheram regressar à vila onde se conheceram em 2001, num bar, a beber tequila, e é a partir dali que trabalham nos objetos digitais de que tanto gostam. São os FalcãoLucas e fizeram dois GIF animados para uma música do novo álbum dos Maroon 5 - era para ser um mas eles gostaram tanto que quiseram dois (e, provavelmente, não se ficarão por aqui...).

Foi através da plataforma online Giphy, onde têm o portfólio há três anos, que chegaram aos Maroon 5 (ou que os Maroon 5 chegaram a eles). A maior montra mundial de GIF funciona como agência e já os apresentou a outros clientes internacionais, como a Fox (fizeram um GIF para a série Empire) ou a Paramount (fizeram um GIF para o Terminator Genisys). No caso da banda norte-americana, "mandaram a capa do single, a cara com um chupa-chupa, e a letra da música, só nos deram essas indicações. Pediram uma proposta de sketch, mandámos três e eles não conseguiram escolher, gostaram de dois e fizemos dois GIF", para a música What Lovers Do, conta Tânia Falcão. "Para a próxima semana vamos receber o briefing de um novo. Não sei se querem mais um, em princípio sim." A ideia dos Maroon 5 era ter GIF para promover todas as músicas do novo álbum, feitos por vários artistas digitais (não, não conheceram os Maroon 5, toda a ponte entre a banda e os artistas foi feita através da Giphy.)

Esta arte feita de pixels é muito procurada por clientes internacionais: "As empresas pagam para ter este tipo de formato para poderem comunicar online nas redes sociais, para terem conteúdos ricos. Investem na comunicação dos novos media", diz. "A nível nacional não fazemos GIF animados, cá não existe esse mercado ainda. Trabalhamos muito motion graphics, muita comunicação, ilustrações animadas mas muito mais infográficas, nomeadamente com o Montepio, com a EDP. A nível de arte digital, GIF animados, realmente só fazemos trabalho internacional", explica a metade feminina dos FalcãoLucas.

O feedback do trabalho chega-lhes através das redes sociais, o lugar onde naturalmente crescem e se multiplicam. Um dos GIF de What Lovers Do já vai em 800 mil visualizações. Tânia reconhece que, para já, as reações são mais à música do que ao aspeto visual dos GIF, pequenos pedaços de imagem repetitiva que transmite uma mensagem.

O trabalho para os Maroon 5 não surge assinado, já o que fizeram para a Paramount, por exemplo, foi publicado com os créditos. "Esse caminho está a começar a ser construído. Cada vez mais se vê o GIF de arte como um objeto de arte que tem um autor, isso vai acontecendo. É um caminho longo, como é óbvio, isto é uma coisa em que qualquer pessoa pega e partilha, às vezes nem sabemos onde os nossos GIF andam", admite Tânia.

Juntos desde o famoso copo num bar, a vida dos FalcãoLucas já deu algumas voltas. Quando se conheceram, o Luís trabalhava numa agência de publicidade e Tânia queria tirar o curso de Design. Tirou e também foi trabalhar para publicidade, até 2012. "Durante esse tempo fizemos trabalhos a nível de ilustração e de GIF animados mas como hobby, não sabíamos se havia mercado para viver disso. Até que em 2012, já quase a nascer o segundo filho, decidimos tentar fazer um projeto na arte digital. Despedi-me eu primeiro e começámos de uma forma absurda a construir um portfólio por nossa conta, sem clientes nem nada."

Tem sido esta paixão pela arte digital que lhes tem trazido clientes. "Tudo o que achávamos que fazia sentido fomos produzindo e mostrando. Temos tido muitos clientes mas quando não temos fazemos trabalhos para nós, que achamos que faz sentido, pomos ali o nosso melhor, e publicamos. E tem sido muito isto que nos tem trazido trabalho."

Como hobby, agora fazem música. No início do ano fizeram um videoclip para uma música que criaram nos tempos livres. O vídeo de Ontem "acabou por ir parar à primeira página do Vimeo e criou um burburinho enorme. Ganhámos alguns prémios internacionais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.