O Orfeo de Monteverdi, a ópera que fundou a ópera, hoje no CCB

Festival Monteverdi prossegue hoje com a apresentação da mais famosa ópera do autor italiano, estreada há 410 anos, numa produção italiana liderada pelo agrupamento vocal La Venexiana. Antes, a partir das 11 da manhã, começa a integral dos madrigais do compositor: os oito livros serão cantados até amanhã à noite por quatro diferentes coros, três deles portugueses

Ela é geralmente considerada como a obra em que o género musical "ópera" foi inventado, ou teve nascimento. Claudio Monteverdi, cuja efeméride do nascimento (450 anos) motivou este pequeno festival no Centro Cultural de Belém, chamou-lhe favola in musica, isto é, uma história fantasiosa (afinal, estamos a lidar com o mito de Orfeu) envolvida em música. Ela estreou a 24 de fevereiro de 1607, no Palácio Ducal de Mântua, numa performance privada para o duque Vincenzo Gonzaga, empregador de Monteverdi, acontecendo a estreia pública dias depois.

Esta noite (21.00) vamos poder revê-la no Grande Auditório do CCB, graças a uma produção italiana liderada pelo famoso agrupamento La Venexiana, cujo percurso em concertos e gravações ao longo dos últimos 20 anos os cimentou como talvez os mais autorizados intérpretes da obra profana de Monteverdi.

A direção musical será de Davide Pozzi, à frente de um elenco onde figuram o tenor Riccardo Pisani (Orfeo), o soprano Emanuela Galli (Eurídice e personagem alegórica Música), o baixo Guglielmo Bonsanti (Plutão), o mezzo Sophia Patsi (Mensageira), o baixo Jaromir Nosek (Caronte) e o contratenor Raffaele Pe (Pastor e personagem alegórica Esperança). A direção artística é de Gabriele Palomba.

Nem Orfeu reverte a morte

O libreto desta ópera é de Alessandro Striggio, um intelectual ligado aos círculos culturais mais progressistas da época (nomeadamente a Accademia degli Invaghiti), filho do compositor do mesmo nome. Para estabelecer o seu texto, baseou-se ele num texto de Angelo Poliziano do século XVI e em dois autores maiores da Antiguidade: Ovídio (Metamorfoses) e Virgílio (Geórgicas). A história é sobejamente conhecida e narra a tentativa de Orfeu, príncipe da Trácia e poeta e músico de "artes" mágicas, de resgatar a sua amada Eurídice do Hades (o reino dos mortos), gorada finalmente porque ele não resiste a olhar o rosto dela antes de deixar os domínios de Plutão. Esta história de final trágico é-nos contada ao longo de um Prólogo de caráter alegórico e de cinco atos narrativos, cuja ação oscila entre os campos da Trácia e as profundezas do Hades, sendo que cada um destes espaços nos é "servido" com um som orquestral bem diferenciado.

A novidade do Orfeo

Este pensamento tímbrico de que Monteverdi dá mostras é uma das mais-valias da obra, pois reforça a identidade sonora e agudiza o contraste dramático, marcas que são ainda complementadas pela associação de instrumentos particulares a determinada personagem. Tudo sobre um princípio performativo que deixa aos intérpretes espaço para a improvisação.

Mas a marca principal do Orfeo e que o diferencia de obras afins que o precederam é que Monteverdi soube aqui, acima de tudo, olhar por cima de todas as disputas estéticas que procuravam definir como deveria ser o novo estilo de contar uma história por música. Digamos que Monteverdi foi antes de tudo o mais aquilo que ele era essencialmente: um músico - e um músico de génio, sem dúvida.

Em vez disso, o compositor percebeu que deveria reunir a pluralidade de estilos suficiente para garantir que a sua obra e a história que se propunha recriar teriam variedade e coerência dramática suficientes para que o interesse e o encanto (já que falamos de Orfeu) musical da mesma se mantivesse inalterado de início ao fim. Para tal, Monteverdi recorreu, quer ao estilo madrigalesco herdado do século XVI e do qual já era um reconhecido mestre; quer aos princípios vanguardistas advogados pela escola florentina, sobretudo no que respeita ao uso e função do recitativo e ao canto monódico como princípio basilar do modo de verter um texto em música; quer finalmente ao estilo polifónico "antigo" (várias vozes em contraponto). Com isto demonstrando que a combinação judiciosa e com "mão de mestre" de vários estilos à sua disposição alcança maiores e melhores resultados dramáticos do que a adoção, sempre redutora, de um só estilo, movido por preconceito estético.

Apesar disso, é recente o reconhecimento do Orfeo. A obra esteve afastada dos palcos durante quase 300 anos: data de 1911 a primeira apresentação moderna encenada, em Paris. Mas só após a II Guerra Mundial, com a emergência do movimento que procurou restituir a identidade sonora das obras anteriores ao Classicismo, é que o Orfeo e restante obra dramática de Monteverdi (nomeadamente, O regresso de Ulisses à Pátria e A coroação de Pompeia) foram colocados no "panteão" que lhes é devido. O maior sinal disso é que ainda hoje regressam regularmente ao nosso convívio.

No CCB, além do Orfeo

Antes do Orfeo, como dissemos, ouvem-se os madrigais de Monteverdi, numa maratona que terá o seu epílogo apenas amanhã à noite. Os oito livros que o autor deixou serão interpretados pelos coros portugueses Officium, Ricercare e Grupo Vocal Olisipo (dois livros ca- da) e pelos Venexiana. A estes cabe encerrar o ciclo (amanhã, 21.00), cantando os livros 7 e 8. A "base" será sempre a Sala Luís de Freitas Branco e as "sessões" acontecem às 11.00, 14.30 e 17.00 de hoje e amanhã, mais às 21.00 de amanhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.