O filme de Wei Wei para conhecer o drama dos refugiados

Ai Wei Wei viajou por mais de 20 países para dar conta de um problema atual: Refugiados é o confronto com um drama global.

O artista chinês Ai Wei Wei decidiu fazer um documentário sobre o drama global dos refugiados, agora lançado no mercado português, precisamente com o título Refugiados. Vale a pena referir que, no original, o filme se chama Human Flow. E é disso mesmo que se trata: dar a conhecer os movimentos globais dos muitos milhões de pessoas que tentam escapar à violência de conflitos armados e formas brutais de repressão.

Ai Wei Wei viajou por mais de duas dezenas de países, de Itália ao Quénia, do campo de refugiados em Calais até à fronteira entre México e EUA... Poderá, talvez, dizer-se que o filme perde consistência e pertinência pelo facto de nem sempre conseguir condensar o mínimo de informações suscetíveis de nos fazer compreender a complexidade das situações expostas (mesmo tendo a duração de 140 minutos). Ainda assim, importa sublinhar a energia de reportagem que marca muitos momentos registados pela equipa de Ai Wei Wei.

Sabemos que, hoje em dia, no universo das imagens e sons, muitas destas situações são tratadas em peças televisivas de breves minutos. Para além do maior ou menor cuidado narrativo, há que reconhecer que, na maior parte dos casos, elas nos dão uma perspetiva esquemática sobre os problemas (quase sempre condensada numa voz dominadora), alheando-se da vida que, realmente, se vive nos campos de refugiados. Refugiados consegue, pelo menos, expor-nos alguns momentos emblemáticos dessa vida através de mecanismos genuinamente cinematográficos. A saber: mostrar a dimensão física dos espaços e fazer-nos sentir a duração concreta de muitas ações que lá se vivem. A utilização de entrevistas com personalidades empenhadas em enfrentar o drama do global dos refugiados acrescenta informações pertinentes. Mas é a verdade dos lugares e dos gestos que nos fica na memória, quer dizer, a sua vibração humana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.