Morreu Johnny Hallyday, o pai do rock & roll francês

Johnny Hallyday, considerado o pai do rock & roll francês, morreu hoje, em Paris, aos 74 anos, vítima de cancro, informou a família.

O músico morreu na sua casa em Marnes-la-Coquette, a oeste de Paris, para onde foi transferido após ter deixado uma clínica da capital francesa onde esteve internado seis dias, segundo um comunicado divulgado pela mulher, Laeticia.

"Johnny Hallyday partiu. Escrevo estas palavras sem acreditar. (...) Ele deixou-nos esta noite como venceu tudo ao longo da sua vida, com coragem e dignidade", escreveu.

Jean-Philippe Léo Smet, de seu verdadeiro nome, nasceu em Paris, na França ocupada de 1943. Filho da modelo Huguette Clerc e do artista belga de 'music-hall' Léon Smet, viveu em Londres com a tia e o marido desta, um artista de variedades a quem 'roubou' o nome artístico.

Conhecido como o "Elvis francês" era sempre comparado em França com o 'rei'. Foi precisamente o tema "Loving You", do seu ídolo Elvis Presley, que o levou a decidir que queria ser cantor e tocar em estabelecimentos noturnos.

Johnny Hallyday publicou em 1960 o primeiro álbum, "Hello Johnny". Um ano depois, sai o seu grande êxito discográfico, uma versão francesa de "Let's Twist Again", intitulada "Viens danser le twist", que se tornou disco de ouro.

A partir de então, consolidou a sua popularidade, vertendo temas clássicos do rock & roll para francês, e lançou álbuns como "Jeune Homme, Rivière... Ouvre ton Lit y Vie".

Hallyday foi uma das maiores estrelas francesas, com uma carreira de mais de 50 anos e mais de 900 canções, com 100 milhões de discos vendidos.

Entre os seus temas de rock & roll contam-se "Rester vivant", "O Carole" ou "Noir c'est noir", a versão francesa de "Black is black", de Los Bravos. Também "Au Café de l'Avenir", "Oh! ma jolie Sarah", "Gabrielle", "La fille de l'été dernier", "Allumer le feu" ou os clássicos "Mystery Train" ou "Blue Suede Shoes".

Nos concertos não faltaram também hinos de gerações como "Requiem pour un fou", "Ma gueule", "L'Idole des jeunes", "Que je t'aime", a lírica "J'ai pleuré sur ma guitare" ou temas 'pop' como "Quelque chose de Tennessee".

Entre as músicas 'country' destacou-se "De l'amour". Dos últimos trabalhos figuram a balada "Seul" e "Le pénitencier", uma canção emblemática da sua carreira, gravada em 1964, que é a adaptação francesa do tema 'folk' norte-americano "The House of the Rising Sun", popularizado pelos The Animals.

Hallyday morreu devido a cancro do pulmão, doença que anunciou publicamente em março último.

Nos últimos anos, teve uma saúde frágil, agravada pelos excessos com álcool, drogas e tabaco. Em dezembro de 2009 foi hospitalizado nos Estados Unidos, tendo-lhe sido provocado coma induzido devido a um grave problema respiratório.

No passado dia 17 de novembro foi hospitalizado de urgência devido a uma insuficiência respiratória, tendo sido submetido a uma nova sessão de quimioterapia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.