Morreu Augusto Sobral

Dramaturgo e homem do teatro, tinha 83 anos.

Augusto Sobral, dramaturgo, tradutor e homem do teatro morreu ontem, 2 de fevereiro,

Nasceu em 1933, foi estudante na Escola de Belas Artes de Lisboa e integrou o grupo de oposição MUD Juvenil.

Estreou-se como autor, em 1961, com duas peças em um ato - O Borrão, pelo Grupo Cénico da Faculdade de Direito, e Consultório, no TNDM II, com encenação de Artur Ramos, seguida, em 1963, de Os Degraus, peça em dois atos não aprovada pela censura.

No teatro, além de autor e tradutor, teve experiência como ator, encenador e cenógrafo. Foi membro fundador do Grupo de Teatro Proposta, em 1975, ao lado de Manuel Coelho, Fernando Gusmão, Luís Alberto e Victor Esteves. Entre os trabalhos deste grupo destaca-se Notícias do Poder (1976)

Em 1977 e 1978, escreve com José Carlos Ary dos Santos, para o Grupo 4, o texto-guião dos espetáculos musicados Os Macacões e O Caso da mãozinha misteriosa. Seguiram-se peças, muitas delas publicadas, tais como: Quem matou Alfredo Mann (representada, em 1981, pelo TEAR); Memórias de uma mulher fatal (1981; Prémio da Crítica, ex-aequo para o melhor original português); Abel Abel (1984; Teatro do Bairro Alto); Inexistência (2002; Teatro Mirita Casimiro).

Traduziu, entre outras, as peças Três Irmãs de Tchekhov, Sonho de uma noite de verão de Shakespeare e A Escola de mulheres de Molière. Colaborou ainda com Fonseca e Costa nos guiões dos filmes Os Demónios de Alcácer-Quibir e Viúva rica solteira não fica.Terminada

Em 2012, o encenador Rogério Vieira voltou a Memórias de uma mulher fatal, que encenou e interpretou num espetáculo apresentado no Teatro Nacional D. Maria II. Na folha de sala desse espetáculo, um pequeno texto de Augusto Sobral falava da sua aproximação ao teatro do absurdo.

O funeral de Augusto Sobral realiza-se hoje, para o cemitério dos Olivais, em Lisboa, onde o corpo será cremado, disse à agência Lusa fonte próxima do autor. O corpo do dramaturgo sairá da Igreja de Santo Eugénio, no bairro da Encarnação, para o cemitério dos Olivais às 17:30.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.