Morreu a vocalista dos The Cranberries. Dolores O'Riordan tinha 46 anos

O'Riordan estava em Londres a gravar

A cantora irlandesa Dolores O'Riordan morreu esta segunda-feira aos 46 anos, em Londres. O representante da cantora já confirmou a notícia à imprensa britânica. O'Riordan era a vocalista da banda The Cranberries, que atingiu o sucesso nos anos 90 do século passado com canções como "Zombie" e "Linger".

O'Riordan estava em Londres a gravar, segundo o comunicado divulgado pela agência Lindsey Holmes Publicity: "A vocalista da banda irlandesa The Cranberries estava em Londres para uma curta sessão de gravação. Não há mais pormenores nesta altura. A família está devastada e pede privacidade nesta altura difícil".

A cantora era originária de Limerick, na costa oeste da República da Irlanda. A mais nova de sete filhos, tinha 19 anos quando participou nas audições para ser vocalista dos The Cranberries, na altura ainda com o nome The Cranberry Saw Us. Juntos, fizeram cinco álbuns de originais, antes de se separarem em 2003, e outro depois de uma reunião, em 2012.

O'Riordan lançou ainda dois álbuns em nome próprio. Deixa três filhos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.