Escritora Maria Teresa Horta recusa Prémio Oceanos

A escritora portuguesa repudia o 4º lugar ex-aequo que lhe foi atribuído e que, diz, poria em causa a sua dignidade.

A escritora portuguesa Maria Teresa Horta recusa o 4º lugar no Prémio Oceanos, prémio de Literatura em Língua Portuguesa de 2017, organizado anualmente pelo Itaú Cultural no Brasil, cujos vencedores foram anunciados na passada quinta-feira.

Em carta enviada ontem ao júri do concurso, e que a escritora partilhou na sua página de Facebook, Maria Teresa Horta manifesta o seu repúdio da classificação - 4º lugar ex-aequo com o escritor Bernardo Carvalho - e respetivo prémio pecuniário: "Faço-o por respeito pela Literatura, por respeito pelas minhas leitoras e os meus leitores, e sobretudo pelo respeito que devo a mim própria e à minha já longa obra", escreve a autora premiada com a obra Anunciações.

E conclui: "Assim sendo, caros senhores, sois livres de dar a aplicação que vos aprouver aos 15 mil reais (4 mil euros) que me caberiam, não fosse esta inultrapassável questão que se me coloca e dá pelo nome de dignidade".

Perante esta posição da escritora Maria Teresa Horta, os curadores do Prémio Oceanos (a portuguesa Ana Sousa Dias e os brasileiros Manuel da Costa Pinto e Selma Caetano) emitiram hoje um comunicado no qual, antes de mais, explicam que a atribuição do quarto lugar ex-aequo a dois escritores aconteceu "devido a empates sucessivos durante o processo de votação" e que a decisão do júri ​ "foi ​​​​​​tomada de forma soberana, com base no regulamento do Oceanos, e plenamente endossada por esta curadoria".

Por fim, anunciam que, desta forma, o prémio será "integralmente destinado" ao escritor Bernardo Carvalho.

O primeiro lugar do Prémio Oceanos foi atribuído à também portuguesa Ana Teresa Pereira pelo romance Karen. Em segundo lugar ficou autor brasileiro Silvano Santiago, que concorreu com a obra Machado, seguido pelo poeta português Helder Moura Pereira, com o livro Golpe de Teatro. Para o quarto lugar e último lugar foram escolhidos dois autores, a poeta Maria Teresa Horta, com o livro Anunciações, e o romancista brasileiro Bernardo Carvalho, com a obra Simpatia pelo Demónio.

O júri desta edição do prémio Oceanos foi constituído por seis jurados brasileiros – as ensaístas Beatriz Resende e Mirna Queiroz, a tradutora e editora Heloisa Jahn e os escritores Maria Esther Maciel, Everardo Norões e Eucanaã Ferraz –, a escritora luso-moçambicana Ana Mafalda Leite e o crítico e ensaísta português António Guerreiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)