Diretor do MNAA faz mea culpa ao ministro por carta

António Filipe Pimentel enviou carta a Luís Filipe Castro Mendes com pedido de desculpas por declarações na escola do CDS.

Tardando o encontro entre António Filipe Pimentel, a caminho de Paris, com o ministro da Cultura, em visita oficial ao Brasil, o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga enviou uma carta a Luís Filipe Castro Mendes. Na carta, a que o DN teve acesso, pede desculpas formais à tutela pelas declarações proferidas na sexta-feira na Escola de Quadros do CDS.

António Filipe Pimentel realça a relação pessoal criada com o ministro da Cultura, "que se tem distinguido pela sua elevada qualidade". "É à sua luz - porque as instituições se fazem de pessoas -, que peço queira aceitar este pedido de formais desculpas."

A carta foi enviada no início da semana, e nela Pimentel, que não respondeu ao contacto do DN, classifica os acontecimentos de sexta-feira de "infelizes".

Convidado para participar na Escola de Quadros do CDS, em Peniche, António Filipe Pimentel integrou um painel em que se debateu a cultura ao lado do assessor para a Cultura da Presidência da República, Pedro Mexia. Questionado pelos jovens centristas sobre a situação do Museu de Arte Antiga, António Filipe Pimentel classificou a situação de "calamidade".

"São 64 pessoas para 82 salas abertas ao público. De certeza absoluta que um destes dias há uma calamidade no museu. Só pode, porque andamos a brincar ao património. Mas a esta altura todas as tutelas dispõem de toda a informação cabal do que vai acontecer, mas quando acontecer, abre os telejornais", disse António Filipe Pimentel, citado pela Lusa.

As afirmações de Pimentel tiveram eco logo na sexta-feira. O gabinete do Ministério da Cultura dizia desconhecer "qualquer ocorrência concreta que possa ter provocado este sinal de alarme que perpassa nas declarações proferidas hoje pelo diretor do MNAA, pelo que caberá ao Dr. António Filipe Pimentel contextualizar e concretizar as suas afirmações".

No dia seguinte, confrontado com as declarações, Luís Filipe Castro Mendes, disse aos jornalistas, que estava "perplexo" e manifestava a intenção de chamar o diretor do MNAA a despacho no Palácio da Ajuda, após a sua deslocação ao Brasil, que termina hoje. Esta afirmação surgia já depois de António Filipe Pimentel ter vindo a público explicar que tinha falado num contexto de sala de aula. "É desnecessário fazer pensar que quero incendiar o paiol, porque não quero", afiançou, em declarações ao DN. "A única coisa que alertei é que o museu está no limite da subsistência, acrescentou António Filipe Pimentel .

Na sua carta a Castro Mendes, António Filipe admite que as suas afirmações "embora descontextualizadas", não ter dúvida "sobre a sua manifesta inoportunidade, se retrospetivamente observadas e com olhos e ouvidos descomprometidos, justamente os de quantos as leram e ouviram."

Diretor do museu há seis anos, António Filipe Pimentel vinha reclamando um estatuto de maior independência para a instituição há vários anos. No início do verão, o ministério da Cultura anunciou a criação de um projeto de gestão autónoma dos museus de que o Museu Nacional de Arte Antiga seria o pioneiro. Este facto é mencionado na carta. "Tal trabalho - trabalho sério e entre equipas - tem, justamente, vindo a ser sedimentado no quadro quase inverosímil de pouco mais de 4 meses. Que semelhante acontecimento possa vir a perturbar o futuro idealizado para a instituição que recebi dos meus predecessores e que porfio em poder legar, como é de minha liminar obrigação, protegida e acrescentada, é, para além do plano estritamente pessoal dos meus sentimentos, a minha imediata e central preocupação".

O Ministério da Cultura confirma ter recebido a carta de António Filipe Pimentel, sem mais comentários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.