Museus gratuitos e abertos durante a noite

O programa do Dia Internacional dos Museus, que se celebra hoje, e da Noite Europeia dos Museus, no sábado, vai envolver cerca de 600 atividades em 54 concelhos do país

De acordo com este organismo, os dois eventos - de entrada gratuita nos museus, palácios e monumentos tutelados, com algumas exceções - vão envolver um total de 88 espaços museológicos, com mais de 400 iniciativas previstas para o Dia dos Museus e cerca de 200 para a Noite dos Museus.

O Dia Internacional dos Museus foi criado em 1977 pelo ICOM -- Conselho Internacional de Museus - com o objetivo de promover, junto da sociedade, uma reflexão sobre o papel dos museus, e por esse motivo, a entidade lança todos os anos um tema.

Este ano, o Dia Internacional dos Museus e a Noite Europeia dos Museus celebram-se sob o mote "Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos".

A Noite dos Museus é uma iniciativa criada em 2005 pelo Ministério francês da Cultura e da Comunicação, à qual Portugal aderiu posteriormente.

Nesta ocasião, os museus portugueses organizam múltiplas atividades -- espetáculos de teatro e dança, concertos, visitas guiadas e encenadas, entre muitas outras -, convidando os visitantes a usufruírem dos seus espaços em período noturno.

Hoje, a entrada é livre no horário normal de funcionamento, exceto nos seguintes casos: no Museu Nacional de Arqueologia, onde a gratuitidade será das 10:00 às 23:00, e no Palácio Nacional de Mafra, das 09:30 às 17:30 (última entrada às 16:45), e das 20:00 às 23:00.

No sábado, a entrada é livre a partir das 18:00, exceto no Museu Nacional dos Coches, em que a gratuitidade será das 10:00 às 24:00 (com última entrada às 23:30).

Neste dia, os seguintes serviços, segundo a DGPC, estarão encerrados após o horário normal de funcionamento: o Convento de Cristo, o Mosteiro da Batalha, o Mosteiro de Alcobaça, o Mosteiro dos Jerónimos, o Museu Monográfico de Conimbriga -- Museu Nacional, o Palácio Nacional de Mafra, o Panteão Nacional e a Torre de Belém.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.