Carminho explica "Uma Casa Portuguesa" a Caetano Veloso

O músico brasileiro, que se encontra em Lisboa para participar na final da Eurovisão, diz que ama esta música de Amália.

Antes de se apresentar na final da Eurovisão, amanhã à noite, a cantar o tema Amar pelos dois com Salvador Sobral, o músico brasileiro Caetano Veloso tem aproveitado a sua estadia em Portugal para estar com alguns músicos. Ontem à noite, por exemplo, jantou com a portuguesa Carminho e o brasileiro Seu Jorge. O serão teve cantorias, guitarras e conversas em torno de música, como se comprova no vídeo que publicou hoje na sua página de Facebook.

No vídeo, a fadista canta um pouco de Uma Casa Portuguesa com Caetano Veloso e explica ao músico brasileiro que esse é um dos fados que geralmente é dado como exemplo de como a Amália era uma voz do Estado Novo, por fazer a apologia de que "basta pouco para alegrar". Caetano recorda, a propósito disso, uma frase de Salazar: "Prefiro ver Portugal pobre a ver Portugal diferente".

No entanto ambos acabam por concordar que "esta música é linda". "Eu amo esta música", diz Caetano Veloso. "O fado está acima desse negócio de Salazar."

A ligação entre Carminho e Caetano Veloso começou em 2013 quando, depois de assistir a um concerto da portuguesa, Caetano Veloso escreveu no jornal O Globo uma crónica muito elogiosa chamando-lhe "um breve milagre". No álbum Canto, de 2014, Carminho gravou O Sol, Eu e Tu, com letra de Caetano Veloso.

E os dois já gravaram um tema juntos, Naufrágio, precisamente um fado com letra inspirada em versos da poeta brasileira Cecília Meireles e que foi originalmente lanada por Amália Rodrigues. O tema integrou o CD Amália - As Vozes do Fado, editado em 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.