Carminho explica "Uma Casa Portuguesa" a Caetano Veloso

O músico brasileiro, que se encontra em Lisboa para participar na final da Eurovisão, diz que ama esta música de Amália.

Antes de se apresentar na final da Eurovisão, amanhã à noite, a cantar o tema Amar pelos dois com Salvador Sobral, o músico brasileiro Caetano Veloso tem aproveitado a sua estadia em Portugal para estar com alguns músicos. Ontem à noite, por exemplo, jantou com a portuguesa Carminho e o brasileiro Seu Jorge. O serão teve cantorias, guitarras e conversas em torno de música, como se comprova no vídeo que publicou hoje na sua página de Facebook.

No vídeo, a fadista canta um pouco de Uma Casa Portuguesa com Caetano Veloso e explica ao músico brasileiro que esse é um dos fados que geralmente é dado como exemplo de como a Amália era uma voz do Estado Novo, por fazer a apologia de que "basta pouco para alegrar". Caetano recorda, a propósito disso, uma frase de Salazar: "Prefiro ver Portugal pobre a ver Portugal diferente".

No entanto ambos acabam por concordar que "esta música é linda". "Eu amo esta música", diz Caetano Veloso. "O fado está acima desse negócio de Salazar."

A ligação entre Carminho e Caetano Veloso começou em 2013 quando, depois de assistir a um concerto da portuguesa, Caetano Veloso escreveu no jornal O Globo uma crónica muito elogiosa chamando-lhe "um breve milagre". No álbum Canto, de 2014, Carminho gravou O Sol, Eu e Tu, com letra de Caetano Veloso.

E os dois já gravaram um tema juntos, Naufrágio, precisamente um fado com letra inspirada em versos da poeta brasileira Cecília Meireles e que foi originalmente lanada por Amália Rodrigues. O tema integrou o CD Amália - As Vozes do Fado, editado em 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.