Bielorrússia: São rosas meus senhores

Ensaio de Alekseev mostrou uma atuação insólita. Em vez de palmas, a reação foi de surpresa

Nikita Alekseev, que representa a Bielorússia com o tema Forever na Eurovisão, ensaiou pela primeira vez este domingo à tarde no palco da Altice Arena a performance que está a trabalhar para a semifinal da Eruovisão, marcada para 8 de maio. Na sala de imprensa, entre fãs, a reação foi menos de palmas, como aconteceu com outros cantores ao longo do dia, mas mais de surpresa. Com muitos "ah" de espanto.

A encenação que acompanha a canção foge à regra sóbria que os primeiros ensaios mostraram. Há rosas. E em vários momentos. Há uma bailarina, um arco e flecha. Uma bailarina de vermelho, um arco e flecha em forma de rosa, e o próprio cantor 'oferece' rosas.

A performance do artista difere em muito daquela que o conduziu à vitória no seu país, como se pode ver neste vídeo.

Alekseev nasceu em 1993 na Ucrânia, o que este levantou criticas quanto à sua presença como representante de outro país, o que não é caso inédito na Eurovisão, nem sequer este ano. Leni Foureira, grega, vai cantar pelo Chipre.

Como a concorrente portuguesa, Cláudia Pascoal, o cantor participou no concurso de talentos The Voice.

Se passar, Alekseev volta a cantar na final, a 12 de maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.