Alberto João Jardim é pastor. E até deixou crescer a barba

O antigo presidente do Governo Regional veste a pele de pastor visionário num filme sobre o autor do Bailinho da Madeira

Alberto João Jardim, antigo presidente do Governo Regional da Madeira, faz uma participação no filme "O Feiticeiro da Calheta" na pele de um pastor visionário. As gravações já aconteceram, em plena Serra da Calheta, e mostram Jardim a sonhar com um futuro em que os meninos da ilha não andam descalços e têm escolas.

"É uma personagem criada a pensar nele", explica ao DN o realizador Luís Miguel Jardim, esclarecendo que apesar de partilhar o mesmo apelido que o antigo governante madeirense não tem nenhum laço familiar com ele. O realizador deste filme sobre o autor do Bailinho da Madeira garante que Alberto João Jardim "desenrascou-se muito bem", mas admite que teve de o enganar para que este aceitasse repetir as cenas. Como? Pôs as culpas na criança que com ele contracenava. Assim, o ex-presidente do governo da Madeira lá aceitou ir repetindo as falas.

Alberto João Jardim com o realizador durante as gravações

Alberto João Jardim participou numa única cena de "O Feiticeiro da Calheta". "Mas fiquei com a ideia de que se houvesse mais ele iria participar", admite Luís Miguel Jardim, lembrando a forma "disponível e intensa" com que o seu homónimo se entregou ao projeto. "De tal maneira que até deixou crescer a barba", comenta o realizador, lembrando que Alberto João Jardim se encontrou com a equipa de produção, junto a um hipermercado, já com as roupas da personagem vestidas.

"Já está habituado à representação. É um ator político", comenta Luís Miguel Jardim. "Foi hilariante. É uma figura divertidíssima", resume o realizador, que apesar de já se ter cruzado com o antigo chefe de governo da Madeira, não o conhecia pessoalmente.

Alberto João Jardim com a criança com quem contracenou

A colaboração aconteceu depois de "Águas", anterior filme do cineasta, em que Jardim se mostrou disponível para uma participação num projeto futuro. O filme já estava praticamente rodado quando a produção conseguiu finalmente chegar ao antigo governante, que antes de aceitar, quis ler o guião. "Gostou muito da ideia, acho até que ficou um bocadinho emocionado...", comenta Luís Miguel.

"O Feiticeiro da Calheta" é um filme sobre João Gomes de Sousa, o autor do popular Bailinho da Madeira. "Costumo dizer que é o meu feiticeiro, tem imensa ficção", adverte o realizador, explicando que, na Madeira, um feiticeiro é alguém que é sábio, uma pessoa que até pode não saber ler ou escrever, mas que tem muito conhecimento.

Alberto João Jardim durante a preparação da cena

O filme, que conta com a participação de outras personalidades madeirenses, nomeadamente o Representante da República Irineu Barreto, tem estreia marcada para o início de 2017. Na Madeira, de certeza, no circuito comercial, se conseguirem. As comunidades portuguesas no estrangeiro também verão o filme.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.