Agustina Bessa-Luís mais perto de tradução inglesa

A escritora Inês Pedrosa terá aberto caminho à primeira tradução para inglês da obra de Agustina Bessa-Luís, ao declarar numa palestra "um escândalo" a sua ausência do catálogo de editoras britânicas, causando interesse na principal tradutora de português

Num evento em Londres, com editores, agentes literários e tradutores, Inês Pedrosa, confessa admiradora da autora de Corte do Norte elogiou a escrita "prodigiosa" e uma profundidade cujo "horizonte se estende para além das sagas familiares do norte de Portugal".

A antiga diretora da Casa Fernando Pessoa lamentou a falta de reconhecimento de Agustina Bessa-Luís no universo de língua inglesa, citando um artigo escrito pelo Prémio Nobel da Literatura José Saramago há muitos anos.

"Podemos discordar das suas opiniões políticas, mas não podemos negar que ela é um génio, como foi Fernando Pessoa", terá dito Saramago, segundo Inês Pedrosa.

O entusiasmo com que falou da obra de Bessa-Luís contagiou nomeadamente Margaret Jull Costa, a mais conhecida e premiada tradutora de português para língua inglesa, responsável pela tradução de livros de Saramago, Eça de Queirós, Fernando Pessoa, António Lobo Antunes, Lídia Jorge e Teolinda Gersão, entre outros.

"Fiquei com muita curiosidade e vou ler. E ao meu lado estava um editor que disse também estar interessado", revelou Jull Costa à agência Lusa

O evento, organizado e realizado hoje na Embaixada de Portugal no Reino Unido, em conjunto com o Instituto Camões, destinou-se a promover a literatura e poesia portuguesas do século XX com o objetivo de causar interesse para a sua tradução e publicação.

Surge na sequência de outras sessões de apresentação de obras de autores portugueses na capital britânica, como Ana Luísa Amaral ou Rui Zink, e de uma visita de sete editores britânicos à Feira do Livro em Lisboa, em junho.

Inês Pedrosa incentivou os tradutores presentes a conhecer escritores como Maria Velho da Costa, Lídia Jorge, Mário de Carvalho, Teolinda Gersão, Ana Teresa Pereira, Hélia Correia, Rui Zink, Valter Hugo Mãe ou Ana Margarida de Carvalho.

"O português é uma língua muito plástica, difícil e cerimoniosa, mas também muito surpreendente por ser tão barroca", afirmou a autora de "A instrução dos amantes".

O poeta e crítico literário Pedro Mexia falou dos poetas Vitorino Nemésio, Jorge de Sena, Mário Cesariny, Alexandre O'Neill, Herberto Helder, Ruy Belo, Vasco Graça Moura, João Miguel Fernandes Jorge, José Tolentino Mendonça e Luís Quintais.

Surpreendido por notar que os poetas portugueses com traduções em língua inglesa se devem a editoras norte-americanas, irlandesas, neo-zelandesas e até de Hong Kong, convidou os presentes a descobrir a poesia portuguesa para lá de Fernando Pessoa.

"Fernando Pessoa é uma bênção e uma praga", afirmou, em jeito de provocação, explicando: "É uma bênção, porque deu à poesia portuguesa reconhecimento internacional, mas é uma praga, porque as pessoas tendem a conhecer apenas Fernando Pessoa. Isso é muito injusto, especialmente em poesia, porque Portugal tem poetas tão bons, e entre os melhores do século XX".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.