A rapariga que nunca deixou de desenhar

Joana Estrela não é só ilustradora, é autora. Tem 27 anos e ganhou um prémio no Amadora BD do ano passado. O seu último livro é A Rainha do Norte.

Era uma vez um rei mouro que se apaixonou por uma criada. Casaram e foram felizes para sempre. Bem, na verdade, foram felizes só durante algum tempo, pois a criada, agora rainha, vinha de um país do Norte, daqueles onde o chão se cobre de neve, e a rapariga teve imensa dificuldade em se adaptar ao palácio e foi ficando cada vez mais triste, isolada, sem vontade de comer, sem conseguir dormir, sem sequer querer sair do seu quarto e ver o sol. A Rainha do Norte, que Joana Estrela escreveu e ilustrou e que a Planeta Tangerina editou este ano, é um livro sobre a depressão.

"Há muito tempo que andava a pensar na Lenda das Amendoeiras em Flor, que tem coisas tão contemporâneas. Por exemplo, o facto de ela ficar doente de tristeza. Ou ser estrangeira e não ter ninguém parecido com ela. Ou o facto de o conto começar onde muitos acabam, que é um casamento", conta a autora. "Não queria que fosse uma tese sobre a depressão mas queria mostrar como a doença mental também tem efeitos físicos e como é gradual. Não é como ter um dia mau."

Este é apenas o terceiro livro desta autora, que nasceu em Penafiel e reside no Porto, mas já é possível perceber algumas coisas sobre o trabalho de Joana Estrela. Primeiro, que mais do que uma ilustradora, é uma autora. "Desde pequena que tinha muitos projetos de livros, sentia que se tivesse de escolher o desenho e deixar a escrita estava a deixar para trás algo de que gostava muito", explica.

Depois, é que lhe interessa muito o universo feminino, nas suas muitas vertentes. Isso já era visível no seu projeto de final de curso, sobre Santa Quitéria, mas é ainda mais claro em Mana, o seu segundo livro (e aquele que no ano passado ganhou o prémio de Melhor Ilustração para Livro Infantil no festival Amadora BD), no qual se baseou na relação com a sua irmã, três anos mais nova, para falar desse mundo das raparigas que se amam e se odeiam, com episódios que todos os que têm irmãos facilmente irão reconhecer. "É um livro para os mais novos, mas há muitas pessoas a comprá-lo para oferecer às irmãs", conta Joana.

Uma das ilustrações de "Mana"

Estudou Design de Comunicação nas Belas-Artes do Porto, fez Erasmus em Budapeste (Hungria) e, terminado o curso, foi fazer voluntariado numa associação LGBT em Vílnius, na Lituânia. "O trabalho era muito exigente. Tínhamos o projeto maior, que era organizar a marcha de orgulho gay mas, ao longo do ano, organizávamos outros eventos para a comunidade local e era preciso arranjar estratégias para cativar as pessoas. Foi muito importante para mim. Eu não era uma pessoa de começar a fazer coisas, ficava sempre à espera que alguém tivesse a iniciativa, e isto deu-me mais confiança, nem que fosse para organizar uma festa, uma feira de publicações, um workshop." Até para escrever um livro. A partir das muitas histórias vistas, ouvidas e vividas em Vílnius fez o seu primeiro livro, Propaganda (2014), uma espécie de diário ilustrado com cem páginas.

Quando lhe perguntamos quando é que começou a desenhar, Joana Estrela responde com uma provocação: "Eu nunca deixei de desenhar." E é verdade. Todas as crianças desenham, ela limitou-se a continuar. Para sobreviver faz muitas outras coisas na área do design, como convites de casamento, mas tem outros projetos. Não estranhem, por exemplo, se um dia a encontrarem numa feira ou numa esquina com uma máquina fotográfica a imitar os antigos fotógrafos "à la minuta".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.