Giorgio Griffa. As telas que não precisam de moldura

Fundação de Serralves exibe até 4 de setembro a mais completa exposição de sempre sobre meio século de carreira de pintor italiano.

Telas cruas não esticadas ganham vida com pigmentos e pinceladas em tecidos que dispensam molduras, porque "é preciso respeitar a identidade dos materiais". Quem entra numa das alas da Fundação de Serralves, no Porto, não deixa de se surpreender com o traço deste artista, que reduz a pintura aos seus componentes essenciais. Primeiro, num estilo abstracionista, antes de em seguida evoluir para uma linguagem mais narrativa e quase decorativa.

Eis Giorgio Griffa, pintor italiano que pela primeira vez expõe em Portugal.

"Comecei a pintar com dez anos de idade, mas encarei a pintura como carreira só aos 30. Tornei-me num pintor lúdico e não conceptual desenvolvendo um trabalho com uma forte identidade. Essas cinco décadas estão agora aqui patentes", explica o próprio Giorgio Griffa, de 80 anos.

Até 4 de setembro, o Museu de Serralves, no Porto, dá a conhecer "quase tudo" de meio século de pintura e desenho naquela que é considerada como uma exposição quase antológica ou pelo menos a mais completa de sempre do artista turinense.

Quasi Tutto abriu portas ao público em maio e surge como o culminar de uma série de exposições que levou a obra de Griffa ao Centre d"Art Contemporain de Genebra (Suíça), ao Bergen Kunsthal (Noruega) e à Fondazione Giuliani em Roma numa iniciativa que "nasceu de várias convergências", como explica a diretora do Museu de Serralves, Suzanne Cotter.

"Vi a obra do Giorgio pela primeira vez em 2012 em Nova Iorque. Entretanto, quando em 2013 me tornei diretora de Serralves uma das primeiras obras adquiridas para o acervo do museu [Strisce Orizzontali, 1976] era dele e isso serviu de gatilho para esta exposição, que é possível graças a uma relação de parceria com outros museus europeus. A obra de Griffa corresponde à visão que temos sobre a arte contemporânea. Só recentemente ele teve um reconhecimento mais amplo e nós temos um grande orgulho em participar nesta redescoberta da sua arte", explica Cotter.

Desta vontade nasceu Quasi Tutto, uma exposição organizada cronologicamente pelo curador Andrea Bellini, diretor do Centro de Arte Contemporânea de Genebra, que explica os motivos que tornam esta mostra tão completa: "Quasi Tutto é um título simbólico para sintetizar a representação de tudo o que Giorgio fez, mas também é uma explicação sobre a sua filosofia e pensamento. Nesse sentido, quisemos trazer para Serralves não só as pinturas mas também desenhos e fazer a mais completa exposição sobre Griffa."

"Na Itália da década de 1970, pintar não era cool. Se és pintor, fecha-te num quarto e pinta. E de preferência, sê conceptual. Acontece que Giorgio era demasiado lírico", recorda Andrea Bellini para salientar a evolução cronológica da obra, que nesta mostra está bem vincada e faz-se a par com o percurso do visitante.

Tudo começa na em meados dos Anos 60 do Século XX, num período de mudança radical socio-política em Itália, onde sobressaem a abundância do ritmo e da cor através da representação de linhas horizontais, verticais e diagonais, numa preocupação com a coerência e a harmonia, evoluindo até aos dias de hoje, com uma clara diferenciação a partir das décadas de 1980 e 1990, quando a obra de Giorgio se torna mais rica e generosa, com telas mais cheias e uma linguagem menos abstrata e mais narrativa.

"A pintura é um exercício de memória e inteligência. Se na década de 1980 a minha obra se tornou mais rica é porque resgatei também a memória dos anos anteriores", destaca Giorgio Griffa, salientando que a evolução na sua obra decorre também da publicação em Itália na década de 1970 do livro Memórias de Matisse, que lhe "estimulou o orgulho em ser pintor".

"Ser pintor". Duas palavras apenas reduzem ao essencial este meio século de uma carreira, que finalmente é dada a conhecer ao público português. Ainda assim, podemos sempre socorrer-nos das palavras de Giorgio Griffa para o definir: "Eu não retrato nada. Eu pinto."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG