Dylan ficou "sem palavras com o Nobel". Mas muito honrado

O cantor norte-americano recebeu este ano o Nobel da Literatura, uma surpresa da Academia Sueca

O cantor norte-americano Bob Dylan falou hoje, finalmente, sobre ter sido distinguido pela Academia Sueca com o Nobel da Literatura. Dylan ficou "sem palavras", mas muito honrado, anunciou a Academia, em comunicado.

O norte-americano de 75 anos disse também que estará presente na cerimónia, em Estocolmo, para receber o prémio que lhe foi atribuído por "ter criado novas expressões poéticas na grande tradição da canção americana".

Em declarações ao jornal britânico The Telegraph, Dylan confessou que era "difícil de acreditar". Quando lhe disseram achou "incrível, inacreditável. Quem é que sonha com uma coisa destas", contou ao jornal britânico.

Quanto à dificuldade que a Academia teve para contactá-lo, o cantor brincou com o jornalista do Telegraph. "'Bem, aqui estou eu', diz divertido, como se fosse simplesmente uma questão de lhe ligar, mas não oferece mais explicações", escreve Edna Gunderson, que entrevistou o cantor pela primeira vez há mais de um quarto de século.

Com a experiência de várias entrevistas com o poeta, ao longo dos anos, Gunderson insistiu e quis saber o que ele acha da distinção da Academia, nomeadamente das palavras da secretária-permanente Sara Danius, que comparou a sua obra à de Homero ou Safo.

"Suponho que sim, de certa forma. Algumas [das minhas] canções - "Blind Willie", "The Ballad of Hollis Brown", "Joey", "A Hard Rain", "Hurricane", e algumas outras - são definitivamente homéricas em valor".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG