Assunção Cristas: "Vamos colocar questões ao Governo já hoje"

A presidente do CDS-PP reconheceu nesta terça-feira existir uma "frustração grande das expectativas criadas junto dos agentes culturais" face aos resultados provisórios dos concursos da Direção-Geral das Artes (DGArtes).

"Naturalmente, há aqui uma frustração grande das expectativas criadas junto dos agentes culturais que, uma vez ultrapassada a crise, uma vez ultrapassado o tempo da 'troika', uma vez proclamado o fim da austeridade, tinham a legítima expectativa de ter mais apoio, mas, por outro lado, também da forma como os concursos foram feitos", declarou Assunção Cristas.

A líder centrista falava aos jornalistas no Pinhal de Leiria, no concelho da Marinha Grande, à margem de uma ação de reflorestação e após ser questionada sobre o coro de críticas aos resultados anunciados pela DGArtes, garantindo que esta é uma matéria que o partido vai acompanhar.

"Vamos colocar questões ao Governo já hoje. Eu própria me envolverei reunindo com os agentes culturais para perceber, afinal, qual é o melhor modelo", adiantou.

Segundo Assunção Cristas, o atual modelo "de repente vem excluir apoios significativos um pouco por todo o país - e há capitais de distrito que, por exemplo, deixaram de ter um apoio nacional ao teatro -- basta olhar para Coimbra ou para Setúbal - ou entidades que historicamente têm recebido e fazem um trabalho notável reconhecido por todos e que deixaram de ter esse apoio".

"O que é que mudou para afinal uma área que aparentemente seria acarinhada por este Governo estar a ser profundamente desacarinhada e a sofrer com uma realidade que já não deveria ser a realidade do nosso país neste momento", assinalou a líder do CDS-PP.

Os resultados provisórios dos concursos ao Programa de Apoio Sustentado 2018-2021 da Direção-Geral das Artes, conhecidos na sexta-feira, têm suscitado protestos de companhias e criadores.

Os resultados, comunicados aos candidatos, a que a agência Lusa teve acesso, garantem apoio estatal a 50 candidaturas das 89 avaliadas na área do teatro, ficando de fora 39 estruturas, como o Teatro Experimental de Cascais, o Teatro Experimental do Porto, a Seiva Trupe, o Festival Internacional de Marionetas e Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI), O Teatrão e Escola da Noite, em Coimbra, e o Centro Dramático de Évora.

Entre as companhias mais apoiadas do programa, segundo os resultados provisórios, estão o Teatro Praga, a Companhia de Teatro de Almada, os Artistas Unidos, O Bando, o Teatro do Noroeste, a Companhia de Teatro de Braga, a Companhia de Teatro do Algarve (ACTA), a Comuna - Teatro de Pesquisa e o Novo Grupo - Teatro Aberto.

Os concursos ao Programa de Apoio Sustentado às Artes 2018-2021 abriram em outubro, com um valor global de 64,5 milhões de euros.

No sábado, o Governo anunciou um reforço do montante disponível até 2021, para 72,5 milhões de euros.

Exclusivos