Artistas obtêm de Costa compromisso para correção de falhas nos concursos

O representante da estrutura artística Plateia disse hoje que o primeiro-ministro se comprometeu a "encontrar soluções para corrigir falhas no concurso de apoios às artes", que motivou os protestos dos artistas, no início do mês.

Em declarações aos jornalistas, no final de reunião hoje, em Lisboa, com o primeiro-ministro, que durou quase três horas, o representante da Plateia - Profissionais Artes Cénicas, Carlos Costa, disse que as estruturas sublinharam a importância de se avançar com "uma política integrada da cultura".

"O primeiro-ministro reconheceu que há uma suborçamentação no apoio à criação artística e uma suborçamentação da cultura em geral", disse o representante daquela associação de profissionais.

Questionado sobre se tinham conseguido obter um compromisso sobre o objetivo de 1% do Orçamento do Estado, na dotação para a Cultura, o representante da Plateia disse que o primeiro-ministro lhes transmitiu a possibilidade de um crescimento das verbas para a cultura, no próximo Orçamento, embora sem atingir 1%.

O representante do Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos (Cena-STE), André Albuquerque, por seu turno, mostrou-se satisfeito com a reunião, e afirmou: "Não é todos os dias que organizações da cultura são recebidas pelo primeiro-ministro".

"Esperamos agora por atitudes concretas, nomeadamente de legislação, verbas e soluções que tenham a ver com o reconhecimento da necessidade de alterar este modelo".

Na reunião de hoje com António Costa participaram, além dos representantes do Cena-STE e da Plateia, Tânia Guerreiro, pela Rede - Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea, Pedro Penilo, pelo Manifesto em Defesa da Cultura, e Ana Cristina Vicente, pela Performart, associação que congrega instituições como os três teatros nacionais --- São Carlos, D. Maria II e São João ---, as fundações de Serralves e do Centro Cultural de Belém, o Teatro Viriato e o Teatro do Bolhão, entre outras entidades.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.