De Nick Cave a Gainsbourg, a caminhada de Mick Harvey

Mick Harvey está em Portugal para dois concertos em que interpreta o reportório de Serge Gainsbourg. A última aventura de quem acompanhou Nick Cave e que produziu discos de PJ Harvey ou de Mazgani.

Aterrar em Londres na companhia de Nick Cave foi uma desilusão. Em 1980, na capital britânica já pouco restava da explosão que três anos antes apresentara o punk ao mundo. E Michael Harvey não gostou. "A explosão do punk tinha morrido. Estava transformado num negócio e quando assim é perde-se o rumo. Isso motivou os Birthday Party a serem o mais anárquicos e selvagens possível. Estávamos a tentar recuperar o espírito de 77", conta ao Diário de Notícias o guitarrista que agora prepara dois concertos em Portugal a interpretar o reportório de Serge Gainsbourg.

Foi na escola, nos arredores de Melbourne, que Harvey conheceu Nick Cave e com ele começou a dar os primeiros concertos. Primeiro foram os Boys Next Door, depois da chegada a Londres mudaram de nome para Birthday Party e, finalmente, em 1983 passariam a apresentar-se como Nick Cave and the Bad Seeds. Durante 35 anos, Harvey caminhou lado a lado com Cave até que, em 2010, optou por seguir a solo. Hoje olha para trás e reconhece o mérito do seu vocalista de sempre. "Destaca-se pela forma como escreve e o impulso em se tornar no centro das atenções. A outra grande força é a energia das suas atuações ao vivo, descarrega muita energia, pode estar a cantar muito desafinado e aos gritos, mas há sempre uma grande energia. É muito forte", diz.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG