Crianças: Mais pistas do que listas para o novo ano

Um músico brasileiro, Arnaldo Antunes, e um pensador alemão, Walter Benjamin, estão entre os autores dos próximos lançamentos. Há surpresas ainda sem detalhes que nos põem de sobreaviso

Está tudo em andamento. Há livros ainda sem data certa de edição, há livros que não chegaram à gráfica, há os que ainda saem das mãos dos ilustradores e escritores. Chegam-nos esboços, títulos, sinopses, até pistas sem palavras nem imagens. Tudo junto, parece uma espécie de fábrica muito colorida onde se engendrassem histórias, gente, mundos. Uma fábrica onde, à medida que telefonamos para esta e aquela editora, vamos obtendo uma ou outra amostra do que aí vem.

Por outro lado, também há algumas listas já feitas, reedições preparadas, datas a apontar no calendário para saber o que esperar à medida que o ano avança. Haverá um pouco de tudo no ano que agora começou. Certo é que o álbum ilustrado está para ficar. E os "nomes de cartaz" da literatura para a infância são, muitas vezes, os ilustradores. Chame os miúdos, pegue na caneta e, embora não possamos prometer sempre o calendário, aponte num papel o que aí vem.

O cérebro, um músico e uma irmã

Comecemos pelas editoras independentes. Lembra-se do Lá Fora - Guia para Descobrir a Natureza, da editora Planeta Tangerina? Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso preparam agora Cá Dentro. Por dentro, entenda-se o nosso cérebro. Isabel, que além de escrever o texto - enquanto Madalena faz as ilustrações - é editora (ver entrevistas ao lado) diz que estão a trabalhar com neurocientistas.

Para meados de março podemos esperar, ainda do mesmo "planeta", Os figos são para quem passa com texto de João Gomes de Abreu e ilustrações de Bernardo P. Carvalho. Lembra-se de Arnaldo Antunes, o músico que com Marisa Monte e Carlinhos Brown formava a banda brasileira Tribalistas? É ele o autor de Imagem, que será ilustrado por Yara Kono. Mana, com texto e ilustração de Joana Estrela, venceu o I Prémio de Serpa para Álbum Ilustrado e será editado também em março. Uma pista: "Não estranhem os leitores encontrar páginas riscadas, autocolantes colados ou desenhos rabiscados sobre as imagens. A irmã mais nova passou por aqui!"

Margarida Noronha, editora da Kalandraka, não quer revelar quase nada da nova coleção que aí vem. Deixa, contudo, a promessa de Sonho com Asas, ilustrado por Fátima Afonso e com texto de Teresa Marques, que deverá estar nas livrarias em maio. A obra venceu a menção honrosa do VII Prémio Compostela em 2014.

Walter Benjamin para crianças

Miguel Gouveia, que nestes dias anda a braços com a Ilustrarte - Bienal Internacional de Ilustração para a Infância, avança que a Bruaá editará, em fevereiro, Céu de Sardas, com ilustrações de Alicia Baladan, do Uruguai, e texto da franco-portuguesa Inês d"Almeÿ. Para o segundo trimestre do ano, um livro do pensador - para resumir numa palavra a sua extensíssima obra - alemão Walter Benjamin (1892-1940), ilustrado por Marta Monteiro. Extraído de uma das emissões do programa de rádio de Benjamin para crianças, terá como título Um dia de loucos.

Na Orfeu Mini, coleção para a infância da Orfeu Negro, destaca-se A Baleia, de Benji Davies - já este mês nas livrarias -, é o primeiro trabalho do conceituado ilustrador britânico publicado em Portugal. No próximo mês chega O que aconteceu à minha irmã?, de Simona Ciraolo, autora de Quero um Abraço. Está prometido um livro de Catarina Sobral - autora de livros como O Meu Avô ou A Sereia e os Gigantes - para março. Carla Oliveira, a editora, aconselha-nos a esperar por Ahab e a Baleia Branca, do espanhol Manuel Marsol, que o construiu a partir do clássico Moby Dick, de Herman Melville.

Para não esquecermos abril

O Pato Lógico diz-nos para apontarmos para o período que vai de março a junho para esperarmos por novos títulos da coleção "Imagens que contam", com títulos de André da Loba, Catarina Sobral, Afonso Cruz ou Bernardo P. Carvalho. Outra das novidades é um atividário (glossário com atividades) - que acresce a Mar e Teatro - acerca do Estado Novo e o 25 de Abril. André Letria assina a ilustração, agora com texto de José Jorge Letria.

Uma nova Aventura

Uma Aventura na Madeira é o novo título da série de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. Sai em fevereiro, editado pela Caminho, chancela da Leya. Já a Porto Editora aposta este ano na reedição de obras de Maria Alberta Menéres: Ulisses, À Beira do Lago dos Encantos, assim como a sua tradução dos Contos de Perrault, com todo o imaginário presente do criador do Capuchinho Vermelho, A Bela Adormecida ou o Gato das Botas. Todos em janeiro. Outra das novidades da editora, esta para abril, é Oh, Não! Adotei Um Elefante!, de David Walliams, ator britânico que entra nas séries Doctor Who e Little Britain. E há muito mais. Apontou até aqui?

Leia entrevistas aos editores na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?