As incríveis aventuras da supermiúda e do pai João Miguel Tavares

Para a filha mais nova, João Miguel Tavares fez um livro que é também uma canção. Com música e voz de Samuel Úria.

Tudo começou à mesa. A Rita não queria comer e o pai desatou a cantar para entretê-la. "A Rita era bonita mas depois ficou feiosa. E o papá disse à Rita: Tu não podes ser teimosa." E tudo teria ficado por ali, entre as paredes da cozinha, se este pai não fosse João Miguel Tavares. É que o comentador político e "ministro" do programa Governo Sombra (TSF/TVI), além de ser conhecido pelas suas polémicas opiniões, é também um fã de ilustração e de livros infantis, de tal maneira que decidiu fazer um livro para cada um dos seus filhos.

Para a Carolina, a filha mais velha, agora com 13 anos, fez Uma baleia no quarto, com o ilustrador Ricardo Cabral. Para o Tomás, de 11 anos, fez, com Nuno Saraiva, A crise explicada às crianças. Para o Gui, de 9 anos, publicou O pai mais horrível do mundo, com ilustrações de João Fazenda. E, agora, para a Rita, de 5 anos, juntou-se a Luís Levy Lima para fazer As Incríveis Aventuras da Super-Miúda.

Na realidade, isto de fazer livros para os filhos é apenas "uma desculpa" para fazer algo que lhe dá verdadeiro gozo, admite João Miguel Tavares. "Não é como aquelas pessoas que aparecem na televisão a dizer que querem fazer um livro para os filhos. Os livros não são feitos para agradar aos meus filhos, como uma prendinha linda. É verdade que refletem um bocadinho a personalidade de cada um dos miúdos, mas isto junta várias coisas de que eu gosto: a escrita, mas uma escrita comedida, muito enxuta, que é uma coisa que vem do jornalismo; um lado criativo e meio louco, que também tenho; depois a minha paixão pela ilustração e pela banda desenhada; e finalmente o facto de eu gostar de contar histórias aos miúdos."

Portanto, apesar de não planear ter mais filhos, João Miguel Tavares tenciona continuar a fazer livros infantis. "Mas só quero fazê-lo desta maneira. Para mim é impensável fazer o texto e pronto. Quando escrevo já estou a pensar na pessoa certa para ilustrar, sempre, entre as pessoas que eu conheço e de que gosto. E este é um trabalho em conjunto, muito discutido", explica.

No caso destas "incríveis aventuras", o parceiro é o designer gráfico e artista plástico Luís Levy Lima, que na sua estreia como ilustrador de um livro infantil encontrou o traço certo para desenhar esta miúda que tem a mania que é uma super-heroína e tem como missão defender todos os meninos pequeninos da sua escola dos rapazes mauzões (uma história com muito "empoderamento" feminino, reconhece, divertido, João Miguel). Do Calvin ao mangá, desafiam-se miúdos e graúdos a identificar todos os brinquedos e super-heróis, dos nossos tempos e de histórias antigas, que povoam as páginas do livro.

Cereja no topo deste bolo: a canção caseira acabou também por se tornar uma canção como deve ser, graças ao toque de Samuel Úria. "Tinha uma oportunidade para juntar mais um ingrediente de que gosto muito, que é a música, e o Samuel foi de uma generosidade enorme e não só compôs a música como teve um trabalhão enorme a gravar isto", conta João Miguel Tavares. "É muito importante ver esta história como uma canção. Isto começou como uma canção, com aquelas rimas altamente básicas, que eu quis deixar propositadamente no livro. E mesmo se não é uma típica canção infantil, porque não tem refrão, o projeto só faz sentido como um todo."

É por isso que o livro traz um CD, onde além da canção de Samuel Úria e de uma versão para karaoke podemos ainda ouvir a família Tavares a cantar em conjunto, mais ou menos como costumam fazer lá em casa, à noite, quando o pai pega na guitarra e vai rezar com miúdos. A versão familiar é divertidíssima, com a Rita a assumir o protagonismo e a comandar as vozes, o que nos faz esperar o melhor da sessão de apresentação do livro, amanhã, às 18.30, na FNAC do Chiado. Depois, ainda nos falta ver o videoclipe da canção de Samuel Úria, com as ilustrações de Luís Levy Lima e a Rita, vestida de supermiúda, pronta para salvar o mundo.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.