Amália já não gravou as canções de Fred Astaire, mas deixou estas

Someday, editado hoje, é o álbum inacabado que reúne inéditos das "canções americanas" e fados que cantou com a orquestra dirigida por Norrie Paramor

A voz de Amália entra de rompante logo após a abertura da orquestra. Someday he"ll come along / The man I love / And he"ll be big and strong / the man I love. Começa depois a trautear, diz qualquer coisa e, como se tivesse sido levada, cala-se. A orquestra continua. É Gershwin, claro. Mas, por momentos, quase parecia um fado. Não é. É só ela, Amália.

"Há pessoas que ouvem o disco e dizem: "Ah, ela canta isto à fado." Não se podem esquecer que esta maneira de cantar que nós achamos que é do fado é cantar à Amália. O fado antes dela não era assim. Tudo o que ela inventou é que é fado", diz Frederico Santiago. É ele o responsável pela edição de Someday, o disco lançado hoje que reúne as, por ela chamadas, "canções americanas" que, em 1965, Amália gravou sobre o som de uma orquestra conduzida pelo maestro inglês Norrie Paramor.

A maioria das canções do álbum em que se contam clássicos como Summertime, Blue Moon ou The Nearness Of You foram editadas pela primeira vez em 1984 no LP Amália na Broadway. Dezanove anos depois daquele outono em que Amália terá gravado tudo em duas manhãs nos estúdios da Valentim de Carvalho. Outono de que se contam agora 50 anos.

Ao reportório já conhecido desde 1984 acrescem em Someday ("Qualquer dia", em português, em jeito de promessa de acabar o que ficou inacabado) quatro temas inéditos como os fados, acompanhados pela orquestra, Ai,Mouraria - de Frederico Valério que, curiosamente, haveria de fazer um musical para a Broadway, On with the show (1954) - ou Lisboa Antiga, assim como ensaios nunca editados, de que a versão incompleta de The Man I Love é exemplo.

As canções antes de adormecer

Por preguiça ou outro qualquer motivo, Amália não chegou a completar todas as orquestrações com a sua voz. Além das que estavam previstas, ficou a faltar - para quem a conhecia - I Love Paris, de Cole Porter, canção que, além de levar às boîtes de Nova Iorque, a fadista cantava em sua casa, já deitada, antes de dormir, rodeada pelos que lhe eram mais próximos. "Às vezes ficava até às cinco da manhã. Cantava coisas espanholas, cantigas de roda do tempo em que andava na escola, cantigas de folclore, e cantava coisas em inglês também." É Vítor Pavão dos Santos, sentado num café do jardim da Estrela, quem conta a história. Esta e tantas que o autor de O Fado da Tua Voz - Amália e os Poetas ou Amália - Uma Biografia testemunhou.

Como Fred Astaire a salvou

Pavão dos Santos esteve naquelas noites em que, por vezes, ela "dava assim umas notas altas e dizia: "Não posso que já é muito tarde e as pessoas estão a dormir."" Como esteve em Paris quando Amália "levou uma mala tipo à prova de bala com a aparelhagem para ouvir as canções do Fred Astaire". Depois ficava "até às quatro da manhã a ver o [filme] Follow The Fleet." Chegou a dizer, conta Pavão dos Santos, que se tivesse gravado mais tarde as "canções americanas", escolhia as de Fred Astaire.

No documentário Amália - Uma Estranha Forma de Vida, de Bruno de Almeida, a fadista conta: "Estava convencida de que ia morrer, ou de que me ia matar, é a mesma coisa, é o mesmo resultado. (...) Ele ajudou-me muito, aquele homem. Às vezes, as pessoas dizem-me: a Amália tem-me ajudado muito, quando estou triste ou doente, ajuda-me muito quando a oiço ouvi-la cantar. E eu não percebia aquilo. Só percebo agora, depois da minha experiência com as cassetes do Fred Astaire"

Aconteceu num quarto de hotel em Nova Iorque, para onde foi depois de lhe diagnosticarem um tumor. Foi daí, em 1984, que escreveu uma carta para Portugal em que dizia: "gostava que continuassem na mesma, a seguir com o disco das canções americanas." Amália na Broadway sairia no próprio ano.

Frederico Santiago diz das canções do álbum que "os blues não estão assim tão longe do fado, são pessoas que cantam a própria tragédia". Acredita que em Someday "Amália está lá toda". Pavão dos Santos acena que sim.

O primeiro vai continuar nos arquivos da Valentim de Carvalho e há de ficar tudo editado até 2020, ano do centenário de Amália. O próximo álbum, adianta, será de folclore, e reunirá também três canções de Zeca Afonso.

É como se, com sobriedade, se respondesse ao pedido que ela deixou: "Quando eu morrer, façam o favor de chorar por mim."

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?