E se o bem fizesse parte da evolução humana?

O psicólogo e antropólogo americano Michael Tomasello publicou em 2016 A Natural History of Human Morality, um livro em que analisa como a simpatia natural pelos outros, que partilhamos com outras espécies, nos homens evoluiu para uma moral de justiça

Paremos. E se outra realidade - outra, boa, moral, decente, enfim, diferente da que nos é apresentada como única - também existir? Porque há de aquele encontro, Trump e Putin em Helsínquia, passar por norma na relação entre os homens? O desprezo pelo outro, seja na versão exposta e grosseira do americano seja na secreta e policial variante russa, versões praticadas, uma pelo Twitter, outra pela Cambridge Analytica, ambas manipuladoras, expressadas com a cara única tão bem retratada em capa recente da revista Time, Vladimir Trump, Donald Putin, farinha do mesmo saco egoísta e imoral... Mas se a realidade dos homens também for o cuidado pelo outro?

Um russo, também ele brutal, um dia fez uma pergunta que só por si indiciava uma convicção única para a sociedade humana: "Quantas divisões de tanques tem o Vaticano?" Para o ditador comunista José Estaline, o indivíduo, sendo um pecado, nada tinha mais valor e merecia mais atenção do que a força. E um tanque, pesado e com lagartas todo-o-terreno, era o melhor profeta dessa força: arrasava os indivíduos, fazia deles uma pasta informe. Então, paremos e falemos. E ouçamos os casos - costumam vir nos noticiários mas passam mais ou menos despercebidos e quase nunca dados como exemplares - de compaixão, caridade, cooperação, empatia, fraternidade, solidariedade, entreajuda...

E se o altruísmo, a vontade de viver para o outro, não for mera ideia, mas noção profunda, tão indissociável da história milenar dos homens como as contrárias, o egoísmo e o puro interesse individual? Robert Wilson, o popular escritor de policiais que vive algures numa quinta alentejana perto do Redondo, diz em entrevista a João Céu e Silva porque escolheu Aristides Sousa Mendes para um dos protagonistas do seu próximo romance: "Fiquei fascinado por um burocrata que é também um herói por carimbar passaportes." A filósofa judia Hannah Arendt cunhou a noção da "banalidade do mal", falando de acontecimentos contemporâneos do cônsul português de Bordéus. Então, porque não falar também da banalidade do bem?

O que levou um banal funcionário, cumpridor, exceto nos pequenos pecados, a desbaratar a sua vida e dos seus (não é figura de retórica, a família roçou a miséria por causa do próprio Sousa Mendes) e desatar a assinar documentos que salvavam os outros e o perdiam a ele? E nem foi ato irrefletido: quando lhe fecharam o consulado em Bordéus, no dia seguinte ele marchou para a fronteira de Hendaia para continuar o frenesim das assinaturas... O mistério que levou a esse ato, estudam agora as neurociências e a antropologia, bebe na origem da nossa espécie. As qualidades sublimes foram-nos impregnadas e aprimoradas há milénios e levam-nos a esses impulsos inconscientes... e morais. O psicólogo e antropólogo americano Michael Tomasello publicou em 2016 A Natural History of Human Morality, um livro em que analisa como a simpatia natural pelos outros, que partilhamos com outras espécies, nos homens evoluiu para uma moral de justiça.

Os passaportes salvadores do cônsul português e os comboios para Treblinka viveram a mesma época. O encontro de Trump e Putin viveu os mesmos dias da atenção mundial para com os 12 miúdos tailandeses e o seu treinador, presos numa gruta. Além do vendaval informativo, houve interpretações e análises (e até a tal foto da Time) para explicar o primeiro caso. No segundo, apesar também de uma mediatização enorme, ficou-se pelos factos. Como se a compaixão mundial que o caso causou não merecesse também reflexão. Paremos. Compaixão é uma disposição para sentir o sofrimento do(s) outro(s), acompanhada ou não de uma ação para o resolver (o mergulhador que morreu para salvar as crianças levou a compaixão ao extremo).

Provavelmente o que o caso tailandês mais nos deu a aprender foi a entreajuda dos protagonistas na gruta. Afinal, a nossa compaixão, porque nada nos exigiu em troca, pode ter sido mero gosto por frequentarmos (vermos na TV e nas redes sociais) acontecimentos famosos. Outra coisa foi na entreajuda entre os tailandeses da gruta, os jovens e os professores, e as autoridades que os salvaram.

As teorias de Herbert Spencer, sociólogo britânico do séc. XIX, defendiam a existência de um darwinismo social - segundo elas, teria sido a seleção dos mais aptos que deu origem ao progresso humano, tal como acontecera na evolução das espécies. O próprio Darwin combateu essa ideia, considerando que o altruísmo foi um dos fundamentos da sociedade humana. Ora, o que se viu como decisivo na solução do caso da gruta foram as ideias de Pierre Kropotkine, anarquista russo, que ao contrário de Spencer defendeu a cooperação como a alavanca do nosso progresso. E da salvação dos garotos tailandeses poderíamos acrescentar se nos acontecesse parar e pensar as notícias.

Esta semana, uma garota, enfim, já 21 anos, mas com bochechas que enrubescem quando ela se comove e olhos que ficam marejados quando ela luta, a sueca Elin Ersson, apanhou um avião para que ele não levantasse. Para isso acontecer, levantou-se ela. Com um passageiro de pé, os aviões não descolam, e era isso que queria Elin, porque o avião, que partia de Gotemburgo, Suécia, levava um afegão expulso para a sua terra. O Afeganistão não é um bom país para receber de volta os seus cidadãos que pedem asilo no estrangeiro e Elin receava a morte do afegão. Que ela nem conhecia.

Interessará pouco, para aqui, o caso político - a demanda de asilo na Europa e a capacidade de esta receber todos esses pedidos - mas que maravilhoso caso foi este de cuidado, o de gostar de outro de forma desinteressada, de desejo de que os outros sejam libertados do seu sofrimento e de felicidade própria por a dar a outro. Mais uma vez, a banalidade do ato. Ficar de pé num corredor de avião e afirmar: "Ele vai morrer e eu não quero." E ela não podia não querer, como se um misterioso apelo genético, que nos fez chegar ao homem e mulher que somos, a impedisse de fazer outra coisa. Paremos e falemos.

Há a ocitocina, molécula que empurra os mamíferos para a sociabilidade e desenvolve a nossa empatia pelos outros. Há a vontade natural - não ensinada pelos adultos - que leva as crianças de 2 anos a oferecer a sua ajuda sem que lha peçam. Há uma sueca de 21 anos que se levanta, porque sim, num avião. Há tanta coisa para pararmos e falar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.