Ferrari F8 Spider: Império dos sentidos

Com 720 CV de potência e condução a "céu aberto", o Ferrari F8 Spider é um convite à descoberta sensorial envolta numa experiência de exclusividade e adrenalina. Como exímia construtora de desportivos, a marca italiana não deixa os seus créditos por mãos alheias, oferecendo prestações estratosféricas mas com desconcertante facilidade de utilização diária.

Cada modelo da Ferrari encerra em si uma aura especial, sendo irremediavelmente sinónimo de prestações de cortar o fôlego e de exclusividade, algo que no F8 Spider é mais verdade do que nunca. Combinando o melhor da engenharia automóvel em capítulos como a aerodinâmica, eletrónica e motor, o F8 Spider é o capítulo mais recente de uma história de modelos V8 que se iniciou com o 308 GTS de 1977.

O visual é um tratado de aliança entre elegância e aerodinâmica, elemento tão fundamental no universo dos desportivos. Tudo no F8 Spider está pensado com um propósito funcional, mas sem com isso descartar o apelo do olhar. Assim, opta por soluções inspiradas diretamente pelo mundo da competição, do qual a Ferrari tanto se orgulha e que foi razão do seu nascimento. Na dianteira, por exemplo, no centro do para-choques está uma tomada de ar que canaliza o fluxo de ar sobre o capot, ajudando a manter o eixo dianteiro "colado" ao asfalto a altas velocidades, numa solução denominada "S-Duct", havendo propósito semelhante noutra entrada de ar na parte superior dos faróis. Na secção posterior, a cobertura do motor tem tratamento aerodinâmico igualmente cuidado, para providenciar extração de ar quente e para manter uma elevada carga aerodinâmica no eixo traseiro. Ponto nevrálgico deste modelo é o seu tejadilho rígido-retrátil, que altera profundamente a sua silhueta - dividido em duas partes, dobra-se e guarda-se logo atrás do condutor, demorando 14 segundos na sua operação, mesmo em andamento (até aos 45 km/h). Qualquer que seja o seu formato, o F8 Spider não é tímido na sua tarefa de granjear piropos e olhares alheios.

Fabuloso V8 nas "asas" da eletrónica

Tal como o "irmão" F8 Tributo, com que foi desenvolvido em paralelo, o ponto alto do F8 Spider é o motor V8 bi-turbo de 3.9 litros, na linha da frente no que diz respeito a prestações e à sua emotividade, graças aos 720 CV de potência e 770 Nm de binário. Números que se sentem de forma impressionante e explosiva quando conduzido de forma realmente aguerrida, num percurso sinuoso em que as retas se tornam curtas, com acompanhamento da voluptuosa "orquestra" situada atrás do habitáculo para também "alimentar" os sentidos do condutor. O motor é fenomenal na sua resposta desde baixos regimes até aos mais altos: sem qualquer atraso de resposta, o acelerador é como uma "mola" - pressionado com mais força, o impulso é extraordinário. Coadjuvante para uma condução inesquecível, a incrivelmente rápida e eficaz caixa automática de dupla embraiagem (sete velocidades) pode ser comandada a partir de patilhas fixas situadas atrás do volante, no qual se encontram luzes indicadoras para o momento ideal de troca de mudança e todo o centro de comando do veículo - aqui não há hastes para os "piscas" ou para comandar o limpa para-brisas. Tudo é feito no volante e é aí que também se podem selecionar diferentes modos de condução no "Manettino", variando entre o mais benevolente "WET" (para piso escorregadio), "Sport", "Race" (corrida), "CT Off" (controlo de tração desligado) e "ESC Off" (controlo de estabilidade desligado).

Entramos, pois, noutro domínio de excelência deste Ferrari: dificilmente seria imaginável que o seu temperamento pudesse ser tão versátil, sobretudo sendo um modelo de tração traseira: ora tranquilo e cómodo q.b. no quotidiano, ora um bestial superdesportivo que só não é "puro e duro" porque a eletrónica mantém a sua "asa" de proteção sobre o condutor. Ativado o modo "Race" (com alguma condescendência da eletrónica), o F8 Spider é desportivo exigente e fidedigno nas sensações que transmite ao condutor, com direção referencial (e reverencial), permitindo liberdades que são incríveis olhando para os tais 720 CV sob o pé direito, nomeadamente, na forma como coloca a potência no asfalto. Sublime! A aceleração dos zero aos 100 km/h em apenas 2,9 segundos faz com que se chegue a essa fasquia muito depressa, mas os travões em carbocerâmica são tremendamente potentes na hora de "cortar" velocidade, além de resistentes à fadiga.

O motor V8 da Ferrari exibe estatuto de Motor do Ano Internacional há quatro anos consecutivos.

A bordo, alguma simplificação, com os dois ecrãs no painel de instrumentos a servirem de centros de comando - no da esquerda estão as informações de condução e da eletrónica e no da direita está o centro multimédia, incluindo navegação. A posição de condução bastante baixa é reforçada por bancos de estilo "bacquet" de competição que remetem para um universo de personalização que é outra das características de exclusividade da Ferrari, sobretudo no que toca a elementos em fibra de carbono, o que também se reflete no preço - 318.489€ de base, mas que chega aos 466.028€ com os opcionais escolhidos.

Esse é o preço a pagar por algo que muitos definem como sonho, em estatuto plenamente justificado. Somando todos os seus parâmetros, o F8 Spider facilmente se posiciona como uma experiência ímpar de condução, intensificando emoções ao alcance de muito poucos.

FICHA TÉCNICA

Motor Gasolina, 3.9 cm3, V8 bi-turbo, intercooler
Potência 720 CV às 7000 rpm
Binário 770 Nm às 3250 rpm
Transmissão Caixa automática de 7 vel., tração traseira
Vel. máxima 340 km/h
Acel. 0-100 km/h 2,9s
Consumo (média WLTP) N.D. l/100 km
Emissões CO2 (média WLTP) 300 g/km
Preço Desde 318.489€

pjunceiro@globalmediagroup.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG