Cupra Garage Lisboa: muito mais do que só um sítio onde se vendem carros

O surgimento de espaços onde é possível trabalhar, reunir ou tomar um cocktail ao final do dia, enquanto assiste a uma exposição de arte tem sido bastante comum. Inesperado é encontrar um espaço assim, criado por uma marca que vende automóveis.

Situada na Rua Áurea, 74 (entre a Praça do Comércio e o Rossio), a Cupra Garage Lisboa divide-se em dois andares, em que no piso térreo se pode assistir a exposições, eventos de moda e de gastronomia. Enquanto o piso inferior é um espaço modular e interdisciplinar, onde se poderão organizar reuniões de negócios, e eventos privados.

Com espaços já na Cidade do México, Munique e Milão, e a abertura prevista em Roterdão e Sydney, conversámos com Wayne Griffiths, CEO da Cupra sobre os projetos da marca.

Quais foram os desafios em transformar uma designação que representava os modelos com mais performance da Seat numa nova marca?

Não penso que o nosso trabalho fosse transformar, mas sim o de criar uma nova marca. Uma marca contemporânea para a próxima geração de clientes. Na altura, muitos pensavam que éramos malucos por querermos criar uma nova marca quando muitas estavam a desaparecer. Penso que foi a decisão certa na altura certa, tendo em conta que a indústria está a mudar tão rapidamente, passando dos carros de combustão para os carros elétricos e a forma como as pessoas veem a mobilidade. Além disso também foram aparecendo muitas outras marcas: Tesla nos EUA, na Ásia a Nio, Lynk & Co, Polestar. É um momento em que há uma nova geração de compradores que procura diferentes respostas, marcas que os seus pais não tiveram, carros que nem os seus avós, nem os seus pais guiaram. Não procuram marcas que sejam sinónimo de estatuto social, luxo, prestígio, dinheiro. Procuram marcas com as quais se identifiquem e esta foi a oportunidade de criar uma marca que se destaque para essa geração.

As novas gerações parecem ter menos interesse em comprar o seu próprio carro?

Alguns talvez pensem assim porque têm outras prioridades e encaram a mobilidade como uma necessidade básica, mas acho que continuarão sempre a existir compradores mais novos fascinados com carros emocionais. O nosso desafio na eletrificação é provar a argumentação racional com zero emissões C02, e tudo isso, mas temos sobretudo de tornar estes carros sexy, emocionais e atrativos. Esse é o desafio. As marcas de automóveis atuais têm de criar identidades com as quais os clientes se identifiquem, não baseadas na tradição, prestígio ou status do passado, mas no que é importante para os jovens clientes agora: sustentabilidade, reciclagem, economia circular, são os tópicos com que nos temos de preocupar na Cupra.

Porque criaram as Cupra Garages?

Para responder às perguntas das novas gerações, temos de estar onde eles estão. Esse local já não é fora da cidade, num quilómetro de rua preenchida com stands, as novas gerações já não querem ir a um sítio desses. Vão querer vir a um sítio cool como este no meio da cidade e sentirem-se em casa. Todas as Cupra Garages onde quer que estejam, vão ter um design similar inspirado pela cidade de Barcelona, a atmosfera informal, a música e a experiência da marca que se estende além dos carros ao merchandising, a possibilidade de fazer cowork, ou apenas desfrutar o espaço. É muito mais do que só um sítio onde se vendem carros.

Os carros elétricos praticamente não fazem barulho, os fabricantes tentam integrar sons, para alertar os transeuntes, e criar uma experiência que traduza a sensação de velocidade. Qual é a solução da Cupra para isso?

Acho que é uma área excitante onde os compositores estão a criar a sonoridade que transmite a sensação de aceleração e velocidade. O som que o carro faz ao acelerar e quando desacelera é muito importante, para mim o exemplo que está melhor conseguido é o Porsche Taycan. Diverti-me tanto a conduzi-lo que disse à minha equipa: "rapazes, isto define a fasquia!". Estamos a trabalhar com algumas empresas, uma delas é a Sennheiser, não só para estes sons, mas para toda a experiência sonora a bordo do carro. Penso que fizemos um bom trabalho com o som do Born, mas podemos sempre fazer melhor e para o próximo carro, o UrbanRebel, temos mais tempo pois deverá sair em 2025.

O que se segue?

Tornar a marca conhecida mundialmente, vamos para a Austrália ainda este ano com uma Cupra Garage, em Sydney. Estamos a trabalhar em novos carros, como o Tavascan que surgirá em 2024. Mas, também no desporto temos projetos no Extreme-E e no Pure ETCR. Noutras áreas, como a música estamos no festival Primavera Sound. Temos milhares de ideias, umas conseguimos pôr em prática, outras ficam pelo caminho. Tentamos ser os "rebeldes" da indústria automóvel.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG