Web Summit 2018. Quem vai valer a pena ouvir em Lisboa?

Lisboa vai receber entre 5 e 8 de novembro mais de 800 convidados, espalhados por mais de mil conferências, para falar sobre política, robótica, saúde ou ambientalismo.

A cimeira tecnológica, de inovação e empreendedorismo vai ficar em Portugal por mais dez anos. A organização espera mais de 70 mil participantes provenientes de mais de 170 países. O leque de participantes que estará no palco principal do Altice Arena é grande e vai desde o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, ao homem que imaginou a navegação pela Internet como é hoje, Tim Berners-Lee.

Tim Berners-Lee, criador da Internet

Sir Tim Berners-Lee foi o inventor da Word Wide Web (WWW) e mudou a forma como utilizamos a Internet para nosso proveito. Desde a invenção da "web", dedica-se à garantia de que todas as pessoas conseguem tirar mais proveito da vida através da Internet. É diretor fundador da World Wide Web Foundation, diretor do W3C e cofundador do "Open Data Institute". Paddy Cosgrave diz que o queria ter na Web Summit desde a primeira edição. Vai falar esta segunda-feira, às 18:40, no palco principal, e na terça-feira, às 10:30, no fórum.

Darren Aronofsky, produtor cinematográfico

O nova-iorquino de 49 anos é um cineasta, produtor cinematográfico e ambientalista que gera bastante controvérsia pelo trabalho que desenvolve. Os filmes que produz são, por vezes, surrealistas e perturbadores para o público. Se não lhe diz muito, talvez chegue lá pelos filmes o Cisne Negro (2010), Noé (2014), Jackie (2016) ou Mãe! (2017). Sobe ao palco principal esta segunda-feira, dia 5, às 19.15 para falar da tecnologia do storytelling.

António Guterres, Secretário-Geral da ONU

O engenheiro e ex-primeiro-ministro português, alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados entre 2005 e 2015 é o nono secretário-geral da Organização das Nações Unidas e é nessa qualidade que António Guterres vai estar Web Summit na segunda-feira, às 19:35.

Cal Henderson, cofundador da Slack

Cal Henderson é o cofundador da aplicação para comunicar dentro das empresas Slack. Também foi engenheiro no Flickr, o repositório de imagens online, e é autor do livro Building Scalable Websites. Vai estar na Web Summit na terça-feira, às 10:00.

Gillian Tans, o cérebro nos bastidores do Booking

CEO do site e aplicação Booking.com, que veio alterar a forma como se marcam hotéis, Gillian Tans, holandesa, trabalha na empresa desde 2002 e é responsável pela estratégia global e operações. Fala na terça-feira, dia 6, às 10:55 e à tarde, às 15:55, na conferência Ocidente encontra Oriente: O futuro é agora.

Paul Tighe, secretário-geral do Vaticano

Monsenhor Paul Tighe, irlandês, 60 anos, estará na Web Summit na terça-feira, às 13:30, no Fórum. Secretário-geral do conselho de Cultura do Vaticano integra um painel batizado de anti-social media: partilhar é mesmo cuidar? No seu trabalho, este sacerdote acompanha os impactos da tecnologia digital no discurso cultural e social.

Alexandra Cousteau, dedicada aos oceanos

Alexandra Cousteau, realizadora, pertence à Oceans 2050 e dedica-se a trazer de volta a abundância aos oceanos restaurando a saúde do planeta. A paixão pelos mares está nos genes: é neta de Jacques Cousteau. No Fórum, terça-feira, dia 6, às 15.40.

Megan Jones Bell, a cientista de Headspace

Saúde digital. O conceito aprece estranho, mas depois entranha-se e é esse o propósito da chefe do gabinete científico da Headspace, a norte-americana Megan Jones Bell. Esta empresa é líder no desenvolvimento de tecnologias de saúde mental. A premissa é fazer com que a saúde se torne mais barata, eficaz e acessível a todo o tipo de populações. Megan vai falar sobre o trabalho que desenvolve na quarta-feira, às 11:00, no palco HealthConf.

Sean Rad, fundador da aplicação Tinder

Sean Rad é o fundador e antigo presidente do conselho de administração do "Tinder", a aplicação que revolucionou e simplificou o mundo dos encontros. Com um simples "swipe" as pessoas podem escolher quais os potenciais parceiros para um encontro ou simplesmente descartar a pessoas, com base nas fotografias. A aplicação teve uma difusão tão massiva que já está presente em 196 países e existe em 52 línguas. Sean Rad estar na Web Summit na quarta-feira, às 11:10, no palco principal, e às 16:20, no palco StarUp University.

Margrethe Vestager, comissária europeia

É a comissária europeia para a Competição e foi ministra dos Assuntos Económicos e do Interior entre 2011 e 2014, ministra da Educação entre 1998 e 2001. A dinamarquesa vai estar na Web Summit na quarta-feira, às 11:55, no palco principal.

Ben Goertzel, o pai da robô Sophia

Ben Goertzel, cientista chefe da Hanson Robotics, é o criador da robô Sophia, a primeira máquina com inteligência artificial desenvolvida e com cidadania saudita. Goertzel também é o fundador de presidente do conselho de administração da SingularityNET e tem desenvolvido grandes avanços no campo da inteligência autónoma das máquinas e abriu uma parte do caminho para um futuro semelhante ao da ficção científica. Vai estar na Web Summit na quarta-feira, às 14:00.

Sabarish Gnanamoorthy, 15 anos, programador de realidade virtual

Se ser programador de realidade aumentada com apenas 15 anos não é surpreendente o suficiente, este jovem canadiano programador de Realidade Virtual e Realidade Aumentada está no Top 10 de mais influenciadores na área da Realidade Virtual este ano e é patrocinado pelos gigantes da tecnologia como a Microsoft, Apple, Udacitu ou o Snapchat. Também tem a própria empresa, WaypointAR e vai estar na Web Summit na quarta-feira às 15:05, no palco Deep Tech.

Michael Acton Smith, cofundador e presidente copresidente do conselho de administração da Calm

Co-fundador e co-presidente da Calm, Michael Acton Smith é a cara daquela que foi considerada a melhor aplicação da Apple em 2017 e que já atingiu 35 milhões de descargas - a Calm. O conceito: criar conteúdos de áudio específicos para melhorar a saúde mental. Michael também é responsável pelos jogos Firebox, Moshi Monsters e Mind Candy. Vai estar na Web Summit na quarta-feira, às 15:20, no palco principal.

Brad Smith, presidente da Microsoft Corporation

O advogado norte-americano Brad Smith largou o direito pelas tecnologias e agora responsável pela empresa de tecnologia americana, onde supervisiona uma equipa de mais de 1400 empresas em 55 países. Também já fez parcerias com a ONU no âmbito dos Direitos Humanos. Vai estar na Web Summit na quarta-feira, às 16:30.

Tony Blair, antigo primeiro-ministro britânico

O antigo líder do Partido Trabalhista foi primeiro-ministro do Reino Unido entre 1997 e 2007. Nos nove anos que se seguiram, Tony Blair também foi indicado como enviado especial das Nações Unidas para o Médio Oriente. Em 2017 fundou o "Tony Blair Institute for Global Change". Ainda não se sabe quando vai participar.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.