VIH usado para curar crianças com imunodeficiência severa

Cientistas americanos revelaram que usaram o VIH para concretizar uma terapia genética que curou oito crianças com imunodeficiência severa combinada, conhecida pela doença do "rapaz da bolha".

Cientistas americanos revelaram que usaram o VIH para concretizar uma terapia genética que curou oito crianças com imunodeficiência severa combinada (SCID), conhecida pela doença do "rapaz da bolha". Os resultados da investigação, desenvolvida num hospital do Tennessee, foram publicados no New England Journal of Medicine, citado pela BBC.

Os bebés, nascidos com pouca ou nenhuma proteção imunológica, têm agora sistemas imunológicos totalmente funcionais, de acordo com o estudo. As crianças não tratadas com este distúrbio têm de viver em condições completamente estéreis e tendem a morrer ainda bebés.

A terapia genética usada envolveu a recolha da medula óssea dos bebés e a correção do defeito genético no seu ADN logo depois do nascimento. O gene "correto" - usado para reparar o defeito - foi inserido numa versão alterada do vírus VIH, que causa a sida.

Os investigadores disseram que a maioria dos bebés recebeu alta do hospital no espaço de um mês. Ewelina Mamcarz, médica do hospital St Jude, em Memphis (EUA), e uma dos autores do estudo, escreveu num comunicado: "Estes pacientes estão agora a reagir à vacinação e têm sistemas imunológicos para fabricar todas as células imunológicas que precisam para proteção contra infeções enquanto exploram o mundo. E viver vidas normais". "Esta é a primeira vez para pacientes com SCID-X1", acrescentou, referindo-se ao tipo mais comum de SCID.

Os pacientes foram tratados no Hospital Pediátrico de Investigação St. Jude, em Memphis, e no Hospital Pediátrico da UCSF Benioff, em San Francisco.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.