Vaticano ordena investigação no Chile a caso de abusos sexuais a freiras

A Nunciatura Apostólica no Chile anunciou que o Vaticano vai investigar a Congregação das Irmãs do Bom Samaritano por abusos relatados por ex-freiras e que envolveu sacerdotes.

De acordo com um comunicado dos representantes diplomáticos do Vaticano no Chile, a investigação ficará a cargo da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, tendo sido nomeada a irmã Rosário Alonso, que será apoiada nesta tarefa pelo padre Maurizio Bridio, da Ordem dos Franciscanos.

O objetivo desta iniciativa será recolher as informações necessárias para um conhecimento profundo da instituição para ser transmitido ao Vaticano.

Em 25 de julho, um grupo de freiras que deixou a Igreja Católica relatou abusos sexuais perpetrados por padres e ignorado pelas autoridades eclesiásticas na congregação Irmãs do Bom Samaritano na região chilena de Maule.

Em declarações à televisão chilena, as religiosas disseram, ainda, que também tinham sido vítimas de exploração laboral no convento localizado na cidade de Molina, a 210 quilómetros ao sul de Santiago.

Depois de terem denunciado os abusos, foram punidas e expulsas da congregação, acrescentaram.

Segundo a Nunciatura Apostólica no Chile, as investigações no caso das freiras abusadas durarão pelo menos dois meses.

As investigações sobre casos de abuso sexual na Igreja Católica do Chile levaram já à abertura de 139 processos que indiciam a existência de 245 vítimas, estando em investigação um total de 190 pessoas desde maio.

No início de agosto, num gesto de transparência da Igreja chilena, a Conferência Episcopal do país publicou uma lista com os nomes de bispos, sacerdotes e diáconos condenados, pela justiça civil ou canónica, por abuso sexual de menores.

Durante a sua viagem ao Chile, em janeiro, o papa pediu perdão pelos crimes de pedofilia cometidos por membros da Igreja Católica no país, referindo que sentiu "dor e vergonha" diante do "dano irreparável" causado às crianças vítimas de abuso sexual.

Mais tarde, o arcebispo de Malta, Charles Scicluna, foi enviado ao país para investigar casos de pedofilia na Igreja chilena, ouvindo as alegadas vítimas.

Na sequência das suas investigações, foi elaborado um relatório, que inclui 64 testemunhos, tendo o papa pedido a colaboração do clero chileno "no discernimento das medidas que, a curto, médio e longo prazos, deveriam ser adotadas para restabelecer a comunhão eclesial".

Em maio passado, o papa mandou chamar os bispos chilenos ao Vaticano, tendo estes apresentado uma renúncia em bloco depois de reconhecerem que tinham cometido "erros graves e omissões".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.