Vai conduzir? Use o "modo carro" do seu smartphone

Fabricantes desenvolvem soluções que bloqueiam chamadas, mensagens e outras notificações. Em caso de emergência, há formas de contornar as restrições impostas pelas ferramentas.

Quantas vezes atendeu chamadas ou respondeu a mensagens enquanto conduzia? Além da possibilidade de ser multado, a prática coloca em risco a sua segurança, mas existem soluções. Com vista a reduzir ao máximo as distrações ao volante, os fabricantes de smartphones começam a apresentar ferramentas - uma espécie de "modo carro" - para gerir a quantidade de vezes que o telefone toca enquanto conduz.

Segundo o jornal espanhol ABC, muitos fabricantes de smartphones estão a incorporar um sistema nos equipamentos mais modernos, que silencia e gere as notificações e as chamadas recebidas. Contudo, estes sistemas ainda não são fáceis de ativar.

Nos dispositivos Android (Samsung e LG), é necessário descarregar uma aplicação - o Car Mode -, que está disponível na Galaxy App e não no Google Play. A partir daí, explica o ABC, terá de criar uma conta de utilizador e, para ativar a app, configurar a voz e autorizar a conexão via Bluetooth com o automóvel. Com esta ferramenta, todas as aplicações são bloqueadas, à exceção das apps de música ou de navegação.

Um sistema semelhante está disponível no iOS 11 da Apple. Para ativar este modo, deve aceder à opção "Não incomodar" em "Definições" e selecionar "Não incomodar durante a condução". Posteriormente, deve escolher entre a opção "Manualmente", "Automaticamente" (com base no movimento do veículo) ou "Se ligado ao Bluetooth do Carro".

Para configurar, toque em "Resposta automática a" e escolha quem recebe uma resposta: Ninguém, Recentes, Favoritos ou Todos os Contactos. De seguida, selecione "Resposta" para personalizar a mensagem que será enviada: "Estou a conduzir, por isso tenho o modo não incomodar durante a condução ativo. Lerei a sua mensagem quando chegar ao meu destino", é a sugestão da Apple. Se alguém precisar de entrar em contacto consigo, pode contornar o modo "Não incomodar" ao enviar uma mensagem com a palavra "urgente". Nesse caso, pode parar o carro para ler a mensagem ou pedir à Siri que o faça.

Quando se encontra neste modo, o iPhone apresenta algumas notificações, nomeadamente alertas de emergência, temporizadores e alarmes. E pode configurar as opções: só ser alertado se a pessoa ligar duas vezes seguidas, por exemplo.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.