Primeiras imagens. Ultima Thule, na fronteira do sistema solar, é assim

NASA mostra as primeiras imagens obtidas pela sua sonda New Horizons esta terça-feira de Ultima Thule, o astro mais distante de sempre visitado por uma nave terrestre. E ainda só chegou um por cento dos dados recolhidos

Aí estão elas, as primeiras imagens captadas de perto de Ultima Thule. Foram feitas pela sonda New Horizons durante o sobrevoo que a sonda da NASA realizou há apenas um dia. Ultima Thule é constituída por dois corpos agregados, contém materiais de gelos exóticos cuja natureza ainda precisa de ser estudada e a sua cor global é vermelha. Mas a causa dessa coloração ainda não é conhecida: materiais orgânicos, ou outros, não se sabe ainda.

As fotos e os novos detalhes foram divulgados esta quarta-feira pela NASA, que espera ter muito mais novidades amanhã, à medida que os dados recolhidos pela sonda forem chegando ao centro de controlo, em terra.

Para já, ainda só chegou um por cento de todos os dados recolhidos pela New Horizons ao centro de controlo da missão, que está instalado no Laboratório de Física Aplicada da Universidade de Johns Hopkins, nos Estados Unidos. A totalidade dos dados levará ainda quase um ano a chegar à Terra.

As imagens mostradas esta quarta-feira pela NASA foram tiradas das ainda durante a proximação da nave, a uma distância de 50 mil quilómetros de distância, pelo que os cientistas da missão esperam ter imagens ainda mais espectaculares durante os próximos dias. "Estamos já a obervar promenores da topografia e vamos ter grandes novidades e imagens espectaculares", explicou Alan Stern, o responsável da missão.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.