Somos quase 8 mil milhões mas isso não é necessariamente uma boa notícia

A taxa de fertilidade está a diminuir, a população ativa é cada vez mais reduzida e os problemas ambientais aumentam.

Em 1987 a população mundial atingiu a marca dos 5 mil milh​​​​​​ões. 32 anos depois, somos 7,7 mil milhões. O ritmo de crescimento é impressionante: espera-se que em 2050 os habitantes da Terra sejam 9,7 mil milhões.

Às boas notícias - de que temos menos doenças e vivemos mais tempo - juntam-se às más notícias relacionadas com a difícil sustentabilidade de um planeta cada vez mais povoado. Além de que é preciso sublinhar que nem todos os países estão a crescer da mesma forma: a desigualdade populacional reflete as desigualdades sociais e económicas.

Estes são alguns temas para reflexão nesta quinta-feira, 11 de julho, o Dia da População Mundial:

Taxa de fertilidade está em queda

De acordo com o relatório da ONU publicado em junho, e que prevê as tendências na população até 2050, são 27 os países ou territórios cuja população está a diminuir: isto acontece em países como a China ou o Japão e deve-se sobretudo à quebra na fertilidade. A nível mundial a taxa de fertilidade era de 3,2 nascimentos por mulher em 1990 mas baixou para 2,5. E prevê-se que continue a diminuir.

No entanto, esta quebra não acontece uniformemente em todos os países. Na região da África Subsariana, a população deverá duplicar.

Nove países - Índia, Nigéria, Paquistão, República Democrática do Congo, Etiópia, Tanzânia, Indonésia, Egito e os Estados Unidos - serão responsáveis por metade do crescimento previsto da população mundial.

Nos países pobres as vidas são mais curtas

Até 2050, a esperança média de vida deverá aumentar de 72,6 para 77,1 anos.

Mas nos países menos desenvolvidos a expectativa de vida será 7,4 anos inferior. Segundo as Nações Unidas, essa redução acontece devido aos níveis mais elevados de mortalidade infantil e maternal, a par de várias epidemias (incluindo VIH) e da violência em zonas de conflito. Estes são também os países que se debatem com mais problemas ambientais e sociais (como por exemplo a má nutrição e a desigualdade de género).

Estamos a ficar mais velhos

Em 2018, pela primeira vez, o número de pessoas com mais 65 anos ultrapassou o número de pessoas com menos de 5 anos. Isto deve-se ao aumento da esperança média de vida e à diminuição da taxa de fertilidade.

Em 2050, uma em cada quatro pessoas a viver na Europa e na América do Norte terá 65 anos ou mais. O que traz alguns problemas económicos devido à diminuição da população ativa.

Exclusivos

Premium

Flamengo-Grémio

Jesus transporta sonho da Champions para a Libertadores

O treinador português sempre disse que tinha o sonho de um dia conquistar a Liga dos Campeões. Tem agora a oportunidade de fazer história levando o Flamengo à final da Taça Libertadores para se poder coroar campeão da América do Sul. O Rio de Janeiro está em ebulição e uma vitória sobre o Grémio irá colocar o Mister no patamar de herói.