Respirar por um dia o ar poluído da Califórnia é o equivalente a fumar oito cigarros

Fumos dos incêndios está repleto de gases e partículas que são perigosas para a saúde.

O incêndio de Camp Fire, que finalmente parece estar dominado, esteve ativo durante quase duas semanas, deixando grande parte da região norte da Califórnia envolta em fumo e tornando o ar irrespirável.

O incêndio causou 80 mortos e até agora mais de mil desaparecidos mas, devido à má qualidade do ar, muitas mais pessoas na região continuam a respirar ar com um nível de poluição considerado perigoso para a saúde, uma vez que o fumo tem uma mistura de gases e partículas minúsculas, oriundas de árvores e outros materiais queimados.

A determinado momento, no dia 16 de novembro, a Califórnia teve mesmo o ar mais poluído do mundo. Nessa sexta-feira, o índice de qualidade ar em Sacramento era 316, o que é considerado bastante perigoso. Respirar este ar durante um dia é o equivalente a fumar 14 cigarros. Neste momento, o índice de qualidade do ar na região é 179, o que é equivalente a oito cigarros.

Ao longo do fim de semana, a qualidade do ar foi melhorando, mas a situação pode piorar a qualquer momento, pelo a Agência para a Proteção do Ambiente (APA) recomenda que as pessoas que têm problemas de coração ou de pulmões, as mais idosas e as crianças "devem ficar dentro de casa e mantenham os níveis de atividade em baixo", e avisa ainda que "todas as pessoas devem evitar praticar atividade física ao ar livre".

O problema com o fumo dos incêndios é que as partículas são tão pequenas que conseguem infiltrar-se nos cantos e recantos dos pulmões. "Estas partículas microscópicas podem entrar para os olhos e para o sistema respiratório, causando problemas como olhos inflamados, corrimento nasal e até doenças mais graves como bronquite", lê-se no aviso da APA. "Estas partículas estão ainda associadas a mortes prematuras em pessoas com problemas crónicos de coração e pulmões".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.