Quando a primeira opção é estudar numa faculdade do interior

Ensino Superior

Quando a primeira opção é estudar numa faculdade do interior

Escolheram a Covilhã em primeira opção, todos com médias de excelência, mas continuam a ser uma exceção à regra. "Mais facilmente somos escolhidos por um estudante do Brasil do que por um de Lisboa", diz o vice-reitor da UBI.

A entrada no ensino superior foi decidida a dedo. Gonçalo Veiga mudou-se de Viseu para o Porto no 12.º ano, para estudar numa escola onde teria mais alternativas de disciplinas, como Física. Teve a opção de continuar os estudos numa das maiores cidades do país, para onde aflui a maioria dos alunos, mas escolheu fazê-lo na Universidade da Beira Interior (UBI). "De início, isto assustou-me, porque ia passar novamente por este processo de mobilidade e é uma zona muito diferente, onde não há transportes a toda a hora, por exemplo. Mas o facto de estarmos num contexto mais familiar faz que o impacto não seja tão grande", conta o jovem de 17 anos, estudante de Medicina. Escolheu o interior do país em primeira opção, fugindo àquilo que parece ser regra para grande parte dos estudantes portugueses.

Há décadas que a dicotomia entre o interior e o litoral do país integra os debates políticos, e o tema não ficou de fora da campanha para as eleições legislativas de 2019. Portugal é um país a funcionar a duas velocidades. No interior, as escolas vão fechando portas, numa morte lenta anunciada, e as instituições de ensino superior perdem vagas para as grandes cidades. O PS e o PSD propõem que se crie um "Erasmus Interior", mas já há jovens que o fazem sem que sejam incentivados por programas de campanha.

Mais económico no interior

Na UBI, por exemplo, desde 2015 que o número de estudantes de fora do distrito tem vindo a aumentar. No ano letivo de 2018-19, eram 5580, do total de 7400 alunos. Destes, 44% chegam de cidades como Lisboa, Porto, Aveiro, Braga, Coimbra, Leiria, Setúbal e Viana do Castelo. Leonardo, Jade e Gonçalo fazem parte destas estatísticas, por acreditarem que a qualidade da formação não depende do local em que se encontram no mapa.

O jovem Leonardo, de 18 anos, chegou de Fátima à Covilhã há duas semanas, para estudar Engenharia Aeronáutica. O interior foi a sua primeira opção, seguida de Lisboa e Coimbra, para onde concorreu com uma média de 18,4 valores. Mas ir para Lisboa, apesar de estar mais perto de casa, "estava fora de questão", admite. "Não gosto do stress das grandes cidades. E se este período de transição já é tão difícil para quem sai de casa pela primeira vez, ainda mais difícil na confusão da capital. Queria que fosse uma transição mais calma e familiar e aqui conhecemo-nos todos uns aos outros."

A decisão de ingressar na Covilhã passou principalmente por razões financeiras. Ao mudar-se para esta cidade, Leonardo ficou automaticamente apto a candidatar-se à bolsa +Superior, um apoio a alunos que decidem ir estudar para universidades do interior do país. De acordo com a universidade, o número de bolsas +Superior atribuídas tem crescido, embora não significativamente. Enquanto em 2015 eram 122, em 2017 (último ano de que há dados) subiram para 138. O vice-reitor da instituição, João Canavilhas, considera "que este programa é a melhor medida de apoio às instituições de ensino superior (IES) do interior" e "poderia melhorar se fosse alargada a mais estudantes".

A este financiamento, Leonardo junta a bolsa oferecida pela UBI a todos os novos alunos que entram com média superior a 18 valores e tenham escolhido a universidade em primeira opção, cobrindo o primeiro ano de propinas. E espera ainda juntar o apoio da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), disponível a nível nacional. A existência destes programas "foi um fator decisivo" na escolha final. Leonardo tem direito a um quarto na residência universitária por 75 euros - valor que pode descer a zeros caso se torne bolseiro pela DGES -, menos 292 euros do que pagaria, em média, por um quarto em Lisboa (367).

Já Gonçalo, o novo aluno de Medicina na mesma universidade, está a alugar um quarto na cidade, por 140 euros (acrescidas as despesas). "Muito mais barato em relação às grandes cidades e com condições fantásticas", aponta.

"A experiência diz-me que mais facilmente somos escolhidos por um estudante de São Paulo ou do Rio de Janeiro (Brasil) do que por um estudante de Lisboa", diz João Canavilhas. Talvez por "desconhecimento ou preconceito"

A qualidade em primeira opção

Há cerca de dois anos, um estudante de Engenharia Aeronáutica da Covilhã preparava as malas para um estágio na NASA, o mais alto que qualquer aluno desta área pode sonhar. Da mesma universidade, outros tantos já saíram vencedores de concursos internacionais. Todos eles atiçam o entusiasmo de Leonardo por estudar nesta instituição, mas também um certo sentimento de "revolta", por considerar injusto que as universidades do interior sejam facilmente associadas a fraca qualidade de formação. "Não percebo este estigma, se há tantas provas dadas", diz. Mas lança uma hipótese: "acho que acontece como reflexo dos picos de popularidade de determinados cursos, como as engenharias no Instituto Superior Técnico (campeãs das médias altas)".

O vice-reitor da UBI mostra-se mais reticente em apontar justificações. "A experiência diz-me que mais facilmente somos escolhidos por um estudante de São Paulo ou do Rio de Janeiro (Brasil) do que por um estudante de Lisboa", diz João Canavilhas. Talvez por "desconhecimento ou preconceito".

Um preconceito que o estudante de Medicina, Gonçalo, não considera justo, mas "normal que aconteça a um aluno que olha para a média do último colocado", mais baixas do que o habitual. "Naturalmente, vai pensar que aquele curso é mais fraco do que os outros com média mais alta. Mas é preciso pensar que há mais candidatos na cidade, por isso, mais quantidade de melhores alunos, que fazem aumentar as médias", alerta.

Gonçalo escolheu a faculdade a dedo, porque o curso já estava escolhido há muito. Com média para todas as universidades do catálogo, à exceção de uma no Porto, teve de ponderar através de outros critérios. Após uma análise cuidada a todos os testemunhos recolhidos de atuais e antigos alunos e aos planos de estudo, concluiu "que o método de aprendizagem deste curso é completamente diferente, muito mais centrado no aluno e na prática". "Por exemplo, esta semana tenho um seminário, onde os professores apresentam a matéria e não tenho mais aulas. Na próxima semana, tenho as chamadas tutorias, aulas nas quais os alunos expõem as suas dúvidas sobre aquilo que estudaram de uma semana para a outra." Primeiro estranha-se - e muito -, mas depois entranha-se mesmo. "Estou a gostar, porque nos dá uma determinada liberdade e autonomia de aprendizagem. Além disso, apesar de a prática clínica estar normalmente prevista para os últimos três anos (de um total de seis) do curso, aqui já começamos um estágio no primeiro semestre do primeiro ano. Começo em novembro."

"Para mim, se o curso for bom e for no interior, porque não ir?"

Também para a jovem Jade, 17 anos, caloira no curso de Design de Moda da UBI, a média do último colocado não deve definir a escolha se não for um entrave à própria entrada. Assim como Leonardo e Gonçalo, entrou com média superior a 18 valores e chega de longe, Matosinhos. O seu destino ficou escrito cedo. Desde pequena que Jade já gastava folhas de papel a desenhar roupas. Por isso, a escolha profissional parecia óbvia, embora o sonho fosse constantemente travado pelos receios de um mercado de trabalho escasso, pelo menos em Portugal. Mas prevaleceu sobre todas as dúvidas: "decidi por aquilo que me dava mais gozo".

A nível nacional, só encontrou dois cursos de Design de Moda nos moldes de uma licenciatura: na UBI e na Faculdade de Arquitetura de Lisboa. Mas o plano de estudos da primeira foi o único que a convenceu. "Neste, está previsto para o primeiro ano Modelagem e Confeção, que noutras formações só existe nos anos seguintes. Mas eu acho que esta aprendizagem é necessária logo no início, saber como se faz uma peça de roupa, para compreender melhor o processo de criação. De outra forma, os desenhos não passam disso, porque corro o risco de os passar para a confeção e perceber que não é possível concretizá-la", explica.

Está certa de que "não é por um curso ser no interior que vai ser melhor ou pior do que no litoral". "Para mim, se o curso for bom e for no interior, porque não ir?"

Partidos propõem "Erasmus Interior"

No início de setembro, o primeiro-ministro anunciou a intenção de criar um "Erasmus Interior", para que os jovens que "só conhecem a país da onda do surf" possam conhecer "outros territórios, saberes e espaços", dentro do país. Uma proposta que Rui Rio disse já ter sido reclamava pelo PSD há "meses largos".

A ideia não convenceu o Bloco de Esquerda, que disse tratar-se de um projeto "caricato". Uma opinião partilhada pelo vice-reitor da UBI. João Canavilhas diz que "o chamado 'Erasmus Interior' não é solução para coisa nenhum" e não percebe "em que medida pode ajudar" as IES do interior.

E propõe: "se realmente querem trazer estudantes, têm duas opções: aumentar o número de bolsas +Superior e não considerar critérios socioeconómicos; e oferecer vouchers de transporte/alojamento para que os alunos das Secundárias do Litoral possam participar nas atividades organizadas pelas IES do Interior".

O jovem Gonçalo considera mesmo "importante" este contacto direto com as instituições. "Os estudantes do ambiente mais urbano devem vir conhecer estas faculdades, ver as condições que temos. Porque têm uma ideia muito errada sobre elas, o que acaba por se refletir nas decisões políticas, que abrem o fosse entre o interior e o litoral", lembra. Por isso, aplaude medidas de promoção do interior como o corte de vagas em IES de Lisboa e do Porto.

Texto originariamente publicado na edição impressa do DN de 28 de setembro

Exclusivos