Poluição do ar pode romper placenta e atingir fetos no útero

Nova investigação demonstra que as partículas de ar podem passar dos pulmões para a placenta e atingir os fetos no útero. O que aumenta a probabilidade de futuros problemas de saúde.

Investigadores descobriram que quando as mulheres grávidas respiram poluição de carbono negro, gerado pela combustão de combustíveis fósseis, como carros a diesel ou queima de carvão, as partículas podem passar dos pulmões para a placenta e atingir os fetos diretamente, segundo dados revelados pela CNN.

O ar poluído já tinha sido associado a um aumento dos abortos, nascimentos prematuros e baixo peso dos bebés, como efeitos da poluição nas mães. No entanto, a placenta - órgão onde o feto se desenvolve e está ligado ao útero durante a gravidez, permitindo que o oxigénio e nutrientes passem da mãe para o feto através do cordão umbilical - era considerada uma "barreira impenetrável".

Um estudo do ano passado foi o primeiro a sugerir que a ideia de "impenetrabilidade" não se verifica, depois de vários poluentes encontrados nas placentas de cinco mulheres grávidas no Reino Unido.

Uma nova investigação, desenvolvida por cientistas da Universidade de Hasselte e publicada na terça-feira na revista Nature Communication, incidiu sobre 25 mulheres não fumadoras que estavam prestes a dar à luz naquela cidade belga. Imediatamente após o nascimento, foram recolhidas as placentas para estudar o lado em que se desenvolveram os fetos e onde descobriram que carbono negro se tinha acumulado.

As partículas de carbono preto provêm de uma quantidade de fontes, além de carros e fábricas, como fogões de biomassa, carvão nas residências, lâmpadas de querosene e queimadas agrícolas.

Este estudo aponta para que sejam necessárias mais investigações para demonstrar se, uma vez dentro da placenta, as partículas podem viajar diretamente para o feto.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.