Pintura feita por Inteligência Artificial vai a leilão na Christie's

Pela primeira vez, uma impressão que resulta de um algoritmo vai a um leilão de obras de arte. O coletivo francês Obvious questiona as fronteiras da arte, mas reconhece que a Inteligência Artificial não cria arte, é antes um novo meio para o homem criar.

Edmond de Belamy podia ter sido um distinto francês do século XVIII, cujo retrato ficou imortalizado numa pintura, tal como Madame de Belamy, Le Comte de Belamy e La Comtesse de Belamy, alguns dos 11 retratos desta família imaginária. Na realidade, Edmond de Belamy e restante clã são o resultado de uma fórmula matemática criada pelo coletivo francês Obvious.

Edmond de Belamy é uma impressão que resulta da Generative adversarial networks (GAN), ou rede geradora de adversários, uma classe de algoritmos de Inteligência Artificial (IA). A fórmula foi inventada por uma equipa liderada por Ian Goodfellow, do Departamento de Informática da Universidade de Montreal, em 2014.

O nome Belamy, ou mais rigorosamente bel ami, é uma homenagem a Goodfellow.

A assinatura do quadro é a equação criada por Goodfellow.

Explica um dos membros do trio Obvious, Hugo Caselles-Dupré: "O algoritmo é composto por duas partes. De um lado está o gerador, do outro o discriminador. Nós alimentamos o sistema com um conjunto de dados de 15 mil retratos pintados entre o século XIV e o século XX. O gerador cria uma nova imagem com base no conjunto e depois o discriminador tenta identificar a diferença entre uma imagem criada pelo homem e outra criada pelo gerador. O objetivo é enganar o discriminador em pensar que as novas imagens são retratos da vida real. Então chegamos a um resultado."

Arte ou tecnologia?

O quadro está incluído num lote de 300 obras de arte, que inclui trabalhos de Andy Warhol, Roy Lichtenstein, Marcel Duchamp, Henri Matisse, Marc Chagall ou Edvard Munch. Edmond de Belamy tem um valor estimado de 7 mil a 10 mil dólares.

A discussão está em cima da mesa. Estes quadros são obras de arte ou o resultado do avanço da tecnologia? Os franceses Hugo Caselles-Dupré, Pierre Fautrel and Gauthier Vernier, no topo da página do grupo Obvious citam Picasso (também há uma água-tinta do espanhol à venda no leilão): "Os computadores são inúteis. Só sabem dar respostas" para logo de seguida afirmarem o seu desacordo com a publicação da fórmula matemática.

"Pensamos que isto permite ao grande público compreender o que se pode fazer com a Inteligência Artificial", diz Gauthier Vernier ao France 24. E questionado se a IA vai ser o artista do futuro, o francês compara o algoritmo a uma máquina fotográfica, é um novo meio para o homem se exprimir. "A IA não é capaz de exprimir uma intenção artística", afirma.

"A inteligência artificial não é capaz de exprimir uma intenção artística"

O coletivo Obvious não foi o pioneiro na realização de pinturas com a Inteligência Artificial. Em 2016 foi dado a conhecer o "novo Rembrandt", uma pintura realizada em impressora 3D. Foi o resultado de uma parceria que envolveu a Microsoft, a Universidade de Delft e dois museus holandeses.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.