Perdeu a coroa por apoiar Guaidó. A Miss Portuguesa não pode ter opiniões políticas?

A organização do concurso Miss Portuguesa retirou a coroa a Carla Rodrigues alegando que ela não pode emitir opinião sobre a situação política na Venezuela.

Carla Rodrigues, Miss Portuguesa 2018, perdeu o título e já não vai representar Portugal no concurso internacional que se realiza na China. Tudo porque apoiou publicamente o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Gaidó, e apelou à entrada de ajuda humanitária no país.

Carla Rodrigues, jornalista luso-venezuelana de 25 anos, era a representante da comunidade portuguesa em Espanha e foi eleita Miss Portuguesa num concurso de beleza realizado em Gondomar em julho do ano passado. A 20 de fevereiro publicou na sua conta de Instagram um vídeo em que se mostrava "preocupada com a situação da Venezuela e com as dificuldades das pessoas em conseguir alimentos e medicamentos".

Esta quarta-feira, a MMRP Beleza Por uma Causa emitiu um comunicado em que "informa da destituição de Carla Rodrigues e consequente retirada e proibição de uso dos títulos de Miss Portuguesa e Miss World Portugal, em virtude das regras devidamente contratualizadas para o desempenho do mandato". A organização anunciou nesse mesmo dia que o título de Miss Portuguesa passaria para a Primeira Dama de Honor, Ana Rita Aguiar.

O DN tentou, sem sucesso, entrar em contacto com a empresa que organiza o concurso para perceber qual foi a regra infringida por Carla Rodrigues. Nas condições de participação, disponíveis no site do concurso, existem regras relativamente ao facto de as candidatas não poderem ser mães nem serem vistas "a fumar, consumir bebidas alcoólicas ou namorar em público, durante o período do concurso", assim como o dever de "manter o decoro e participar em todas as atividades requeridas pelas organização", mas não há nenhuma referência ao facto de não poderem expressar as suas opiniões políticas.

Já esta sexta-feira, e depois de a notícia ter sido publicada em alguns meios, o presidente da Organização Miss Portuguesa publicou no Facebook um esclarecimento, sublinhando que Carla Rodrigues estava a par dos seus deveres: "Uma Miss tem o dever de unir o seu povo, tem obrigação de não ser fator de divisão e muito menos de tomar parte em questões políticas". O responsável alega que Carla Rodrigues não pode usar o título de Miss Portuguesa em qualquer declaração sem ter autorização da organização do concurso. Não está em causa, explica, a opinião da Miss, apenas o facto de ela não poder emitir opiniões sobre a política noutros países.

Imediatamente Carla Rodrigues voltou a publicar um vídeo no Instagram em que responde à organização do concurso dizendo que em nenhum lugar está escrito que ela não pode dar a sua opinião política: "O que está escrito é que eu tenho que pedir autorização para dar uma entrevista, ora estes vídeos, para mim não são uma entrevista", explica a ex-Miss Portuguesa, alegando que tem direito à liberdade de expressão.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.