Os insetos estão a desaparecer. E a nossa existência fica em causa

Só nas reservas naturais da Alemanha, um estudo de 2017 apontava um decréscimo de 76% de insetos voadores. Ausência destes animais leva à destruição de ecossistemas e, no limite, de muita da comida que hoje ingerimos

Há quem os estude e há quem os queira ver longe. Mas a verdade é que o planeta precisa deles para sobreviver. São insetos, das mais variadas formas e cores, e estão a desaparecer, afetando o ecossistema. De acordo com o The Washington Post, há já vários estudos que mostram um decréscimo radical no número de insetos em todo o mundo, bem como os animais que se alimentam deles.

Os mais recentes relatórios dão conta de números alarmantes, com uma queda no número de insetos na floresta nacional de Porto Rico. Mas o destino já vem sendo escrito há vários anos. Já em 2014, uma equipa de biólogos internacionais anunciava que o número de invertebrados como besouros e abelhas sofreria um decréscimo de 45% nos 35 anos seguintes.

Na Europa ou na América, os dados são alarmantes. Um outro estudo do ano passado, falava de uma diminuição de 76% de insetos voadores em reservas naturais da Alemanha. E a realidade estende-se à América, de acordo com um estudo da Proceeding of national Academy of Sciences (PNAS), autoridade que atribui culpa direta às alterações climáticas, explicando que a planeta atingiu temperaturas insuportáveis à sobrevivência dos animais. Mas há outros especialistas que se apressam a responsabilizar também a utilização de pesticidas.

"Este estudo na PNAS é um dos artigos mais perturbadores que já li". Foi a reação de David Wagner, um especialista em conservação de invertebrados da Universidade de Connecticut. A verdade é que há até já um nome para a tendência que os estudos revelam: os cientistas chamam-lhe o bugpocalypse.

E não só os insetos estão a desaparecer, como todos os animais que dependiam deles para sobreviver - rãs e pássaros, por exemplo, que se alimentam de insetos. Em 2005, uma outra equipa de investigadores dava conta de um decréscimo de 50% no número de aves, relativamente a 1990.

Mas, afinal, por que nos devemos preocupar tanto com o desaparecimento dos insetos? Porque, como explica a ciência, são fundamentais para o bom funcionamento de diversos ecossistemas, uma vez presentes em todas as fases da cadeia alimentar. Estes são utilizados como alimento por diversas espécies de animais. A sua ausência resultaria, além disso, na extinção de plantas sem polinizadores, o que afetaria também a economia mundial.

Ainda de acordo com o The Washington Post, a Xerces Society, um grupo ambiental sem fins lucrativos de Portland, Oregon, promove a plantação de um jardim com plantas nativas que nascem durante todo o ano, de forma a poder diminuir as percentagens alarmantes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG