NASA vai abrir Estação Espacial Internacional a turistas a partir de 2020

A "dormida" no espaço deverá custar cerca de 31 mil euros por noite. Parece muito? Há suites de hoteis no planeta Terra que cobram mais do dobro

A Agência Espacial Norte-Americana (NASA) anunciou nesta sexta-feira que irá "abrir a Estação Espacial Internacional (ISS) à atividade comercial de forma a permitir que a inovação e engenho da indústria americana possa acelerar uma crescente atividade comercial na órbita terrestre baixa".

Em comunicado, a agência acrescenta que "este passo surge numa altura em que a NASA está focada a alta velocidade no seu objetivo de fazer aterrar a primeira mulher e o próximo homem na Lua até 2024", sendo que "as empresas norte-americanas também irão desempenhar um papel essencial no estabelecimento de uma presença sustentável" no satélite natural da Terra.

A NASA acrescenta que esta abertura a "astronautas privados" surge na sequência de várias outras parcerias, nomeadamente envolvendo a ISS, onde atualmente "mais de 50 empresas já estão a conduzir atividades de pesquisa e desenvolvimento comercial".

Dormida acessível...pelos padrões de Las Vegas

O preço da dormida que, segundo foi revelado, deverá rondar os 31 mil euros por noite (não se sabe se o 'bilhete' está incluído), está fora do alcance do comum dos mortais. Mas não deverá ser impedimento para muitos dos milionários do planeta, habituados a gastarem valores dessa ordem e até bastante superiores nas suites dos melhores hotéis do planeta.

Uma noite na "Empathy Suite" do hotel The Palms, em Las Vegas, por exemplo, pode chegar aos 88220 euros. E não faltam outros exemplos de quartos de hotel que fazem a bitola definida pela NASA parecer bastante razoável, da penthouse Real do Hotel President Wilson, em Genebra (Suíça) à penthouse do Mark Hotel, em Nova Iorque.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.