Não há mulheres no palco da Web Summit? Há, mas (ainda) são poucas

A comunidade portuguesa de startups foi chamada ao palco da Web Summit. O momento foi registado e numa das fotos não se vê uma única mulher. Mas elas estão lá. Pelo menos quatro. "É o reflexo da nossa sociedade", afirma a CEO da Portugal Ventures, que elogia os esforços da organização da maior cimeira tecnológica do mundo para alterar esta realidade.

Segunda-feira, 5 de novembro. O primeiro-ministro, António Costa, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o fundador da Web Summit, Paddy Cosgrave, fazem a contagem decrescente para o arranque da maior cimeira tecnológica do mundo. No palco perfilam-se os representantes da comunidade portuguesa de startups chamados para assinalar o início do evento. O momento é registado e fotos são postas a circular na Internet. Onde estão as mulheres no retrato? Não se veem, mas elas estão lá. São poucas, é certo. Mas pelo menos quatro.

Surgem as reações a criticar a (aparente) inexistência de representantes do sexo feminino. Uma das imagens que registou o momento é alterada e em vez de Web Summit lê-se "Men Summit". As críticas não se fazem esperar no mundo das redes sociais. Elas estão lá, como se vê num vídeo do YouTube que mostra a cerimónia de abertura. Mas a verdade é que continuam a ser um número reduzido num mundo dominado pelos homens: o setor das tecnologias.

A própria Web Summit fez um inquérito sobre a falta de mulheres na área tecnológica. Veja os resultados aqui:

O retrato do palco do Web Summit também mereceu um comentário do antigo ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional. Na sua conta de Facebook, Miguel Poiares Maduro pede uma reflexão sobre o tema, tendo em conta a imagem da (aparente) inexistência de mulheres no palco da cimeira tecnológica. "Dizem-me que esta foto só tem homens porque é com os CEO das startups portuguesas. Isso apenas torna o tema mais importante. O que explica esta total ausência das mulheres nessa área? (Reparem: podemos deduzir daqui que numa área económica do futuro e com uma geração mais jovem as mulheres - pelo menos em Portugal - ainda estão menos representadas em lugares de topo do que na generalidade da economia). Penso que era um tema bem mais merecedor de uma reflexão e debate do que outros que se tiveram a propósito da Web Summit", lê-se na publicação que faz na rede social.

"O Web Summit é uma gota no oceano"

"É perfeitamente normal que isso aconteça. Ainda não há um impacto real das mulheres na tecnologia e não temos tido um grande espaço para que isso possa acontecer", diz ao DN Liliana Castro, fundadora da comunidade Portuguese Women in Tech (PWIT).

E não é por falta de esforço do Web Summit, que tem dado palco ao tema da igualdade de género com várias iniciativas. "Isso é notório. Basta andar pelo evento e vemos muitas mais mulheres do que é normal num evento de tecnologia", diz, referindo-se também a várias iniciativas do evento que vão nesse sentido, como os painéis com mulheres, o lounge Women in Tech e os "bilhetes mais baratos para permitir que mais mulheres possam participar".

"A realidade é que isso é uma gota no oceano", afirma sobre os esforços da organização da nona edição da Web Summit, a terceira realizada em Lisboa. Para Liliana Castro, a cimeira tecnológica faz o seu papel na promoção da igualdade de género, "​​mas há ainda muito para fazer". E é "toda a gente que está envolvida nos ecossistemas tecnológicos" que deve fazer parte da solução para mudar este retrato.

"Se houvesse esse trabalho não era necessário comunidades como a Portuguese Women in Tech existirem. Existimos porque sabemos que existe este default, esta falha de mulheres no ecossistema e esta necessidade para que alguém contribua para que as coisas possam evoluir", constata.

Apesar do muito que há a melhorar, considera que há uma evolução evidente, que as empresas começam a ter mais atenção sobre o tema e "a trabalhar no sentido de criar igualdade e abrir oportunidades" às mulheres no mundo da tecnologia. Ainda assim, há um caminho longo pela frente que não passa somente pelas estruturas, mas sobretudo pelas "pessoas que gerem as empresas", de forma que "essa igualdade aconteça".

"O palco da Web Summit é o reflexo da sociedade"

Mas como é que ainda estamos na fase em que num evento com cerca de 70 mil participantes, de 170 países, há ainda pouca representatividade feminina, apesar de todos os movimentos de empoderamento feminino, que ganham cada vez mais força e espaço no mundo? "O palco da Web Summit é o reflexo da nossa sociedade", responde Rita Marques, CEO da Portugal Ventures.

"Estamos a falar de startups de natureza tecnológica e as engenharias e as computações ainda atraem muito poucas mulheres, portanto, é natural que haja poucas empreendedoras na área do empreendedorismo tecnológico, que é o mote do Web Summit", responde Rita Marques, CEO da Portugal Ventures.

Esta engenheira eletrotécnica aponta uma razão cultural para a pouca presença das mulheres num palco como o do Web Summit e fala no seu caso para dar um exemplo da realidade que ainda persiste nos dias de hoje. "No meu curso éramos 120 e havia 20 mulheres", começa por explicar. "Penso que as mulheres estão muito afastadas das engenharias por uma razão. As engenharias obrigam muito à interação das mulheres com as máquinas e nós temos aqui um chip de cuidadoras", afirma remetendo para o lado "quase maternal" presente na educação das mulheres. "E as máquinas não são a mesma coisa que uma pessoa. As mulheres tendencialmente afastam-se um bocadinho das tecnologias. Somos mais cuidadoras, temos esse chip, que é fruto da educação que temos, da sociedade em que vivemos", resume.

"Web Summit é muito mais do que uma Men Summit"

Uma realidade que gostava de ver alterada, salientando, no entanto, os sinais positivos que a sociedade portuguesa já começa a dar. E dá como exemplos mulheres à frente de empresas tecnológicas, como é o caso de Sofia Tenreiro, General Manager da Cisco Portugal, e de Paula Panarra, diretora-geral da Microsoft Portugal. "Há algumas empresas corporate que já perceberam que a discriminação positiva e o facto de terem mulheres na administração é importante".

E lamenta a designação "Men Summit" colocada numa foto do evento. "Acho que para caricaturarmos temos de caricaturar e ajudar na mensagem. Acho que não ajuda, acaba por destruir um bocadinho o valor que o Web Summit deixa cá em Portugal. Temos todos a consciência que poderia ser melhor, sim, mas o Web Summit é muito mais do que um Men Summit, seguramente".

João Mendes Borga, da Startup Portugal, também sublinha o facto de existir "uma evolução nas empresas". "Somos um ecossistema que está a ganhar maturidade neste momento, estamos todos a trabalhar para que isso seja verdade", assegura sobre a igualdade do género no empreendedorismo tecnológico.

No futuro haverá mais mulheres no palco tecnológico

Mas tal como Rita Marques, considera que a solução não passa só pela mudança no seio das empresas. "Honestamente, o problema até pode começar antes da formação da empresa. Quer no ensino superior, quer na educação para o empreendedorismo na base tem de haver um esforço um bocadinho maior", defende e questiona: "Há cursos em que temos uma prevalência de mulheres e há outros em que temos uma prevalência de homens. Qual é a razão disto, porque é que não temos mais programadoras femininas, ou porque não temos técnicos de biotecnologia masculinos?", pergunta, sem ter uma resposta. "O caminho está a ser feito. Queremos mais mulheres e mais mulheres com iniciativas de empreendedorismo".

E essa realidade vai acontecer, refere a CEO da Portugal Ventures. "Se também a sociedade mudar, estou convencida que daqui a cinco anos estamos muito mais mulheres no palco, com certeza. É o reflexo da sociedade, infelizmente ainda é assim, mas há de mudar", afirma, convicta Rita Marques.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.