Mortes por acidentes de avião aumentam significativamente em 2018

O número de pessoas mortas em acidentes de aviação chegou aos 556 no ano passado, superando em larga escala as 44 mortes de 2017

O número de pessoas mortas em acidentes de aviação aumentou significativamente em 2018, de acordo com novos dados, refere a BBC.

De acordo com a empresa de consultoria de aviação holandesa To70 e a Aviation Safety Network, registaram-se 556 mortes, muito mais do que em 2017, o mais seguro da história, quando se registaram apenas 44 vítimas mortais em dois acidentes. No entanto, avisam ambas as entidades, os acidentes fatais continuam a ser raros.

O pior acidente de 2018 ocorreu em outubro, quando um avião da Lione Air caiu na Indonésia, fazendo 189 vítimas mortais.

A To70 estimou que a taxa de acidentes fatais para grandes voos comerciais de passageiros em 2018 foi de 0,36 por cada milhão de voos, o que dá uma média de cerca de um acidente fatal a cada três milhões de voos. Números superiores aos do ano passado (0,06 acidentes fatais por cada milhão de voos) e aos da média dos últimos cinco anos (0,24).

Ainda assim, a tendência das últimas duas décadas tem sido para uma queda do número de vítimas de acidentes de aviação em todo o mundo. Em 2005, por exemplo, registaram-se 1015 mortes, segundo a Aviation. Safety Network. E apesar do aumentou, 2018 foi o terceiro ano mais seguro em termso de número de acidentes fatais e o nono mais seguro utilizando o número de mortes como métrica.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.