Miguel Guimarães recandidata-se a bastonário dos Médicos sem concorrentes

Propõe-se a defender a relação médico-doente como candidata a património cultural imaterial da Humanidade, a diminuição do número de utentes por médico de família e a reduzir a burocracia na classe.

O bastonário dos Médicos vai recandidatar-se ao cargo nas eleições para a Ordem que decorrem em 16 de janeiro, com Miguel Guimarães a ser o único candidato a liderar a instituição no triénio 2020/2022.

Segundo informação que consta do site da Ordem, Miguel Guimarães é o único candidato a bastonário, propondo-se assim a um segundo mandato nas próximas eleições.

Na sua proposta de candidatura, Miguel Guimarães assume que defenderá a "relação médico-doente" como candidata a património cultural imaterial da Humanidade e compromete-se a que seja aplicado o regulamento que define os tempos padrão das várias consultas médias (intervalos de tempo entre marcação de consultas, quer no público quer no privado).

O bastonário propõe também defender a redução faseada das listas de utentes por médico de família e diminuir a "excessiva carga burocrática e as tarefas administrativas atribuídas aos médicos".

Outra das propostas passa por exigir ao Ministério da Saúde a integração das várias aplicações informáticas, simplificando processos, e o investimento em equipamentos.

As eleições para a Ordem dos Médicos decorrem no dia 16 de janeiro, sendo escolhidos, além do bastonário, os órgãos regionais do Norte, Centro e Sul.

Para os órgãos das regiões do Centro e do Sul são apresentadas apenas uma lista em cada um dos casos. Para presidente do Conselho Regional do Centro, Carlos Cortes assume a recandidatura, o mesmo se passando com o Conselho Regional do Norte, com a recandidatura de António Araújo.

No Conselho Regional do Sul surgem duas listas candidatas: a lista A, encabeçada por Paulo Valejo Coelho, e a lista M, do atual presidente Alexandre Valentim Lourenço, que se recandidata.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG