Israelitas inventam máscara reutilizável que mata o vírus com calor do carregador do telemóvel

Máscara aquece uma camada interna de fibras de carbono a 70 graus, uma temperatura alta o suficiente para matar o vírus

Investigadores israelitas inventaram uma máscara facial reutilizável que pode matar o coronavírus com o calor extraído da energia de um carregador de telemóvel.

O processo de desinfeção leva cerca de 30 minutos e os utilizadores não devem usar a máscara enquanto estiver ligada à corrente, explicou o professor Yair Ein-Eli, que liderou a equipa de investigação da Universidade Technion, em Haifa.

A máscara tem uma porta USB que se conecta a uma fonte de energia, como um carregador de telemóvel que aquece uma camada interna de fibras de carbono a 70 graus, uma temperatura alta o suficiente para matar o vírus.

Ein-Eli disse que as máscaras descartáveis, bastante utilizadas em todo o mundo durante a pandemia, não eram economicamente viáveis, nem eram amigas do ambiente. "É preciso tornar as máscaras reutilizáveis e esta é a nossa solução", afirmou.

O protótipo assemelha-se a uma máscara facial N95 padrão, com uma válvula na frente e faixas de borracha para mantê-lo no lugar em torno da cabeça.

Os investigadores registaram uma patente para a máscara nos Estados Unidos no final de março e dizem que estão a discutir a comercialização do produto com o setor privado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG