Vida de peixe. Efeito "A Mulher de Vermelho" enfeitiça machos grávidos

Espécie da família dos cavalos-marinhos tem reprodução única: são os machos que fazem a gestação dos embriões. Mas que nenhuma fêmea mais atraente lhes passe por perto, ou eles descuram a descendência. É o tal efeito com nome de filme

Parentes muito chegados dos cavalos-marinhos, as marinhas (Sygnathus abaster) são uns peixinhos surpreendentes, e com muito para contar. Nesta espécie, são os machos que engravidam, uma forma de reprodução única no mundo. Mas as surpresas não ficam por aqui.

Como descobriu agora um grupo internacional de investigadores liderado por dois biólogos portugueses, Nuno Monteiro e Mário Cunha, do CIBIO-InBio, da Universidade do Porto, mesmo quando grávidos, se passar por perto destes machos uma fêmea mais atraente, eles sofrem o efeito "A mulher de Vermelho". E as coisas não correm bem para a descendência.

No ciclo reprodutor destes peixes, depois de as fêmeas transferirem os ovos para a bolsa incubadora do macho, é ali que os embriões se desenvolvem, protegidos e alimentados pelo pai. Mas se uma outra fêmea o atrair, ele acaba por descurá-los. Resultado: alguns embriões não se desenvolvem sequer e aumenta o número de abortos, e as crias também são depois mais pequenas

O estudo, cujos resultados são publicados hoje na revista científica Proceedings of the Royal Society B, fez a observação de mais de 400 peixes desta espécie, tanto na natureza como em laboratório, para chegar a estas conclusões.

"Embora não tenhamos observado um bloqueio completo da gravidez, os resultados indicam que os machos são capazes de reduzir o investimento na gestação atual quando confrontados com a perspetiva de uma melhor reprodução futura", explica Nuno Monteiro. Nessas circunstância, sublinha o biólogo, "o gestante reduz ou cessa a transferência de recursos para os embriões, capta e reserva nutrientes dos embriões abortados e, assim, economiza reservas de energia para a gravidez que acredita ser possível com "A Mulher de Vermelho".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.