Vestido e roupa interior de Kathryn Mayorga "desapareceram"

O advogado da norte-americana que acusa Cristiano Ronaldo de a ter violado afirmou que o vestido e a roupa interior que foram entregues na polícia desapareceram. O depoimento que Kathryn Mayorga terá prestado à polícia após a alegada agressão sexual também não existe

O vestido e a roupa interior que Kathryn Mayorga, então com 24 anos, usou na noite de 13 de junho de 2009 no quarto do hotel Palms Place, em Las Vegas, onde diz ter sido violada por Cristiano Ronaldo "desapareceram". Quem o diz é Leslie Stovall, o advogado da norte-americana, à revista alemã Der Spiegel. Conta que Mayorga descobriu, ao formalizar a queixa junto da polícia na semana passada, que, além da roupa, também o depoimento que fez em 2009 sobre a alegada agressão sexual já não existe.

De acordo com Stovall, a norte-americana disse que entregou a roupa interior e o vestido à polícia como sendo uma prova do que terá acontecido naquela noite em que esteve com o jogador português. A polícia de Las Vegas não comenta o caso.

Defesa de Mayorga quer falar com ex-namoradas de Ronaldo

O advogado critica a atuação da polícia por não ter dado seguimento à investigação após ter sido apresentada uma queixa em 2009, altura em que Mayorga terá revelado o nome do alegado agressor.

Perante este cenário - ausência da roupa interior usada na noite da alegada violação e do depoimento prestado às autoridades na altura - a defesa de Mayorga pretende ouvir ex-namoradas do jogador português. Segundo Leslie Stovall, estes testemunhos vão "ajudar a construir uma imagem do comportamento de Ronaldo, que pode ser vital para o caso", disse o advogado ao jornal britânico Sunday Mirror. "Ex-namoradas podem ser muito esclarecedoras sobre a sua conduta anterior", reforçou.

"Não vamos deixar pedra sobre pedra"

A modelo russa Irina Shayk - namorou cinco anos com o jogador da Juventus -, a atriz inglesa Gemma Atkinson e a espanhola Nereida Gallardo são algumas das mulheres que tiveram uma relação amorosa com Ronaldo. "Eu quero falar com qualquer namorada que o conheceu intimamente. Viajo para o Reino Unido se for necessário", afirmou Stovall.

A defesa de Mayorga acusa o português de 11 crimes, entre os quais os de violação, coação, abuso de pessoa vulnerável e violação de contrato. "Kathryn está determinada para que ninguém sofra o que ela está sofrer. Não vamos deixar pedra sobre pedra em busca desse objetivo", garantiu o advogado.

De acordo com o jornal britânico, o depoimento das ex-namoradas será feito na presença dos advogados de ambas as partes. Um processo que é frequentemente gravado em vídeo e conduzido como se estivessem em tribunal.

De acordo com o "Sunday Mirror", a defesa de Mayorga quer também entrar em contacto com uma mulher, que agora tem 40 anos, que acusa Ronaldo de alegada agressão sexual quando o jogador tinha 20 anos e defendia as cores do Manchester United. O caso terá sido denunciado às autoridades em 2005 por uma mulher franco-africana que alegou ter sido violada no Hotel Sanderson, em Londres. A queixa acabou por ser retirada. "Estamos ativamente à procura dessa mulher. Ela pode ter informação que pode ajudar no nosso caso. É importante falarmos com ela", afirmou Leslie Stovall.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.